Mercado de trabalho

Saída de pessoas do mercado evita desemprego maior na Grande São Paulo

Seade e Dieese estimam em 1,7 milhão o número de desempregos na região metropolitana. Multidão forma filas no Vale do Anhangabaú em busca de oportunidades

Reprodução
desemprego

Multidão se concentrou desde no Vale do Anhangabaú, em São Paulo, à procura de vagas para cursos profissionalizantes

São Paulo – A taxa de desemprego na região metropolitana de São Paulo ficou relativamente estável de janeiro para fevereiro (de 15,3% para 15,5%), segundo pesquisa da Fundação Seade e do Dieese, divulgada nesta terça-feira (26), e abaixo de igual período do ano passado (16,4%). O número de desempregados foi estimado em 1,711 milhão, 12 mil a mais no mês e 90 mil a mais em um ano.

De acordo com a pesquisa, foram eliminadas 78 mil ocupações em fevereiro (0,8%), mas esse movimento foi atenuado pela saída de pessoas do mercado de trabalho: 66 mil (-0,6%). A diminuição da população economicamente ativa (PEA) fez com que a taxa não aumentasse. A Grande São Paulo tem estimados 9,325 milhões de ocupados.

O desemprego foi um pouco menor na capital paulista (14,9%) e na chamada sub-região sudeste, que incluiu o Grande ABC: 14,8%. Na sub-região leste, que abrange municípios como Guarulhos, Arujá, Suzano e Mogi das Cruzes, subiu para 19,3%. 

Ainda no mês, diminuiu a participação entre os ocupados, de assalariados com carteira assinada (-0,5%) e aumentou a de assalariados sem registro (5,2%). O Seade e o Dieese apuraram ainda queda entre trabalhadores autônomos (-3,1% e empregados domésticos (-5,2%). 

“As pessoas mais afetadas pela redução da ocupação foram aquelas com idades de 25 a 39 anos e 60 anos e mais, aquelas que não haviam concluído o nível médio de ensino ou que tinham concluído o nível superior”, informam os institutos.

Entre os setores, indústria e comércio abriram vagas (17 mil e 24 mil, respectivamente). Construção e serviços eliminaram postos de trabalho (menos 23 mil e 85 mil).

Estimado em R$ 2.077, o rendimento médio dos ocupados variou 0,7% de dezembro para janeiro – nesse item, é considerado o mês anterior. Em comparação com janeiro do ano passado, o rendimento cai 3,2%.

Mutirão

Longas filas se formaram desde cedo no Vale do Anhangabaú, região central de São Paulo, em mutirão organizado pelos sindicatos dos Comerciários e dos Padeiros (ambos filiados à UGT), para 6 mil vagas de emprego. Segundo as entidades, até as 10h aproximadamente 10 mil pessoas haviam passado pelo local. O mutirão é uma parceria com iniciativa privada, Senai, prefeitura e governo estadual.