Mercado de trabalho

Desemprego em São Paulo cai, mas com crescimento de autônomos

Taxa de 15,7% corresponde a uma estimativa de 1,750 milhão de desempregados na região metropolitana. Rendimento médio caiu

Marcello Casal/Arquivo/Agência Brasil
desemprego na região metropolitana de São Paulo

De outubro para novembro, 108 mil vagas foram abertas na Grande São Paulo. A maior parte era de autônomos: 75 mil

São Paulo – A taxa de desemprego na região metropolitana de São Paulo foi para 15,7% em novembro, ante 16,5% no mês anterior, em movimento normal para o período, conforme a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), da Fundação Seade e do Dieese. Os institutos estimam em 1,750 milhão o número de desempregados, 85 mil a menos no mês e 151 mil a menos em um ano. Os dados mostram que o emprego cresce, principalmente, entre os autônomos.

De outubro para novembro, foram abertos 108 mil postos de trabalho na região, um crescimento de 1,2%. Desse total, 75 mil foram vagas de autônomos, que aumentaram em 4,6%. Isso se repete na comparação anual: mais 241 mil ocupações (1,6%), sendo 117 mil autônomos (7,3%). O total de empregos domésticos também teve alta significativa nesse período, com acréscimo de 71 mil, 12,3% a mais.

Já o emprego com carteira assinada teve crescimento pouco expressivo no mês, com 29 mil vagas (0,6%). Em 12 meses, são 137 mil (2,8%). Também na variação anual, os setores que cresceram foram comércio/reparação de veículos (118 mil, 7,2%) e serviços (180 mil, 3,3%). A indústria fechou 47 mil postos de trabalho (-3,3%) e a construção civil, 12 mil (-2%).

Entre as áreas da Grande São Paulo, a taxa de desemprego diminuiu na chamada sub-região leste, que inclui Guarulhos, Mogi das Cruzes e outros municípios, para 16,1%, e aumentou na sudeste, que abrange o ABC: 18,7%. Na capital, recuou para 14,8%.

Estimado em R$ 2.059, o rendimento médio dos ocupados ficou praticamente estável no mês (-0,1%). Em 12 meses, cai 3,5%.