Selic

Copom volta a se reunir, e aposta é na manutenção dos juros

Observadores acreditam que taxa básica será mantida em 6,5% ao ano. Decisão sai na quarta-feira

Divulgação
banco-central.jpg

São Paulo – O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) se reúne nestas terça e quarta-feira (18 e 19), na antepenúltima sessão do atual governo, e deve manter a taxa básica de juros (Selic) em 6,5% ao ano. Essa é a aposta entre os observadores do mercado financeiro. A maioria, inclusive, acredita em mudanças só a partir de 2019, embora alguns avaliam ser possível algum aumento nas duas últimas reuniões do ano, em outubro e dezembro.

Desde outubro de 2016, o Copom vem promovendo sucessivos cortes nos juros básicos. Naquele período, a Selic estava em 14,25% do ano, perdendo oito pontos percentuais até agora. Isso diminuiu as taxas praticadas no mercado, o que está distante de se falar em números razoáveis. Segundo a Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), a taxa média foi de 155,43% para 123,62% ao ano.

Os juros sobre o cartão de crédito, por exemplo, foram de 451,44% para 280,51%. E os do cheque especial, de 296,33% para 283,79%.

A sempre anunciada recuperação da economia brasileira, que apesar da propaganda oficial ainda não aconteceu, é um fator que sugere cautela à autoridade monetária em relação a taxa básica de juros. Em outra ponta, o dólar valorizado pode ser um motivo para aumento da Selic. A inflação segue em certa medida “controlada”, em parte pela própria atividade econômica fraca, mas esse cenário pode não durar muito. 

A decisão do Copom para os próximos 45 dias sai no início da noite de amanhã.