Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2018 / 04 / Preço da cesta básica sobe em 18 de 20 capitais no primeiro trimestre

Em março

Preço da cesta básica sobe em 18 de 20 capitais no primeiro trimestre

Apenas em março, valores caíram em 12 cidades e aumentaram em oito. Dieese calculou em R$ 3.706,44 o salário mínimo para as despesas básicas de um trabalhador e sua família
por Redação RBA publicado 05/04/2018 18h00
Apenas em março, valores caíram em 12 cidades e aumentaram em oito. Dieese calculou em R$ 3.706,44 o salário mínimo para as despesas básicas de um trabalhador e sua família
Reprodução
cesta básica

Preço do feijão, entre outros produtos, caiu na maioria das cidades pesquisadas pelo Dieese em março

São Paulo – O preço médio da cesta básica aumentou no primeiro trimestre em 18 das 20 capitais pesquisadas pelo Dieese, segundo pesquisa divulgada nesta quinta-feira (5). As principais altas foram apuradas em Curitiba (7,12%), Vitória (6,59%) e Brasília (6,54%). Em Aracaju e Goiânia, as variações ficaram próximas da estabilidade (-0,07%). 

Apenas no mês passado, o preço caiu em 12 capitais e aumentou em oito. As principais quedas foram apuradas no Norte/Nordeste: Salvador ( Salvador (-4,07%), Recife (-3,82%) e Belém (-3,24%). As altas mais expressivas foram registradas em Campo Grande (2,60%) e Curitiba (2,22%). De acordo com o instituto, a cesta mais cara em março foi a do Rio de Janeiro (R$ 441,19), enquanto o menor valor médio foi o de Salvador (R$ 322,88). 

Em 12 meses, os preços médios caíram em 16 capitais, com destaque para Salvador (-7,66%), Goiânia (-7,18%) e Belém (-6,89%). Das quatro altas, as principais foram registradas em Curitiba (3,11%) e no Rio de Janeiro (2,29%).

Com base na cesta mais cara, a do Rio, o Dieese calculou em R$ 3.706,44 o salário mínimo para as despesas básicas de um trabalhador e sua família. Esse valor corresponde a 3,89 vezes o mínimo oficial (R$ 954), proporção maior do que em fevereiro (3,86 vezes) e menor em relação a março de 2017 (3,92).

Ainda segundo a pesquisa, o tempo médio para adquirir os produtos da cesta básica, foi de 88 horas e sete minutos, praticamente igual ao de fevereiro e um pouco abaixo de março do ano passado (90 horas e 33 minutos). O trabalhador remunerado pelo salário mínimo comprometeu 43,54% de sua renda para comprar os produtos.

De fevereiro para março, mostra o Dieese, as quedas predominaram nos preços da batata (pesquisada na região Centro-Sul), açúcar refinado, feijão, café em pó e óleo de soja. Banana e leite integram tiveram tendência de alta.