Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2018 / 03 / Governo festeja resultados do agronegócio, mas esconde destruição da indústria

destruição

Governo festeja resultados do agronegócio, mas esconde destruição da indústria

Setor responsável por empregos com maiores remunerações segue patinando, teve crescimento zero e respondeu por apenas 11,8% do PIB de 2017, menor participação desde 1950
por Redação RBA publicado 09/03/2018 09h44, última modificação 09/03/2018 10h03
Setor responsável por empregos com maiores remunerações segue patinando, teve crescimento zero e respondeu por apenas 11,8% do PIB de 2017, menor participação desde 1950
reprodução/TVT
trabalhadores indústria

Falta política industrial séria para que o Brasil volte a ser um dos líderes no setor

São Paulo – O crescimento de 1% do Produto Interno Bruto (PIB), anunciado na semana passada e comemorado pelo governo de Michel Temer, contém dados pouco animadores. O principal deles é que a indústria registrou a sua menor participação nos índices de crescimento desde 1950. Com crescimento zero em 2017, o setor passou a responder por apenas 11,8% das riquezas produzidas no país. No início da década de 1980, respondia por mais de 20%.

Segundo o diretor da Associação Brasileira de Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib) Igor Rocha, o câmbio valorizado, as altas taxas de juros e a falta de uma política industrial impedem que o país dispute o mercado para produtos industriais no exterior. Além disso, o aumento das importações, principalmente de produtos asiáticos, fragilizou ainda mais a indústria nacional.

Ele diz que é normal que países em desenvolvimento com renda média que buscam fazer a transição para renda elevada percam participação na indústria, com ampliação no setor de serviços, como nos países mais ricos. 

"O que aconteceu no Brasil foi que a gente teve uma desindustrialização precoce. Esse processo de perda do setor industrial se iniciou antes de fazer a transição para um país de renda alta", explicou à repórter Michelle Gomes, para o Seu Jornal, da TVT

Para o presidente do Instituto Trabalho, Indústria e Desenvolvimento (TID-Brasil), Rafael Marques, o problema é a mentalidade do empresário, que enxerga o mercado asiático apenas como fornecedor de produtos a serem vendidos aqui, quando países como a China também representam oportunidades, com grande mercado consumidor a ser explorado ainda pelos brasileiros. 

"O empresariado brasileiro, quando olha para a China, olha querendo comprar. Vai ter que comprar, mas tem que vender para a China também. Nós queremos que o Brasil se reconecte com as grandes mudanças do mundo. E que, nessas grandes mudanças, nossa indústria esteja presente e liderando", diz Rafael, lembrando que o Brasil já teve o sexto maior parque industrial do mundo. 

Assista à reportagem do Seu Jornal, da TVT: