Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2017 / 11 / Trabalhadores acompanham discussão sobre novo programa automotivo

Política industrial

Trabalhadores acompanham discussão sobre novo programa automotivo

Para presidente do TID-Brasil, país precisa de uma política articulada para garantir relevância no mercado global
por Vitor Nuzzi, da RBA publicado 18/11/2017 09h57, última modificação 19/11/2017 09h31
Para presidente do TID-Brasil, país precisa de uma política articulada para garantir relevância no mercado global
Arquivo EBC
montadora2.jpg

Representantes dos trabalhadores consideram fundamental que novo acordo automobilístico avance em políticas de desenvolvimento industrial para o país

São Paulo – Os trabalhadores acompanham atentamente o andamento das discussões sobre o Rota 2030, programa para o setor automobilístico que deve substituir o Inovar-Auto. O presidente do recém-criado Instituto Trabalho, Indústria e Desenvolvimento (TID-Brasil), Rafael Marques, considera fundamental garantir a manutenção de uma política industrial, ainda mais em um governo de visão "ultraliberal", como o atual. "Eu diria que é um suspiro de uma política industrial articulada", diz Rafael, também diretor do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

Na última terça-feira (14), Michel Temer recebeu representantes da indústria automobilística para discutir o assunto. "Não discutimos detalhes do programa, mas o que tem esboçado é que realmente os 30% (do IPI sobre os carros importados) caem e isso deverá ter alguma alíquota complementar da ordem de 10% ou 15%, que poderá ser anulada mediante compromisso que as empresas venham a fazer, mais ou menos nos moldes do Inovar-Auto”, disse à Agência Brasil o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antônio Megale.

O Inovar-Auto foi objeto de denúncia na Organização Mundial do Comércio (OMC), em parte por onerar produtos importados. Para Rafael, o programa foi importante para a indústria nacional, em um momento de "enxurrada" de carros internacionais no Brasil. "Se não tivesse Inovar-Auto, acho que estaríamos em uma situação mais difícil. O programa foi importante porque desenvolveu novas regiões, trouxe diversificação à indústria automotiva", avalia.

O câmbio desfavorável enfraqueceu o segmento de autopeças, que também passa por dificuldades estruturais, observa o dirigente, que fala de uma discussão, ainda incipiente, no Rota 2030, sobre um programa de desenvolvimento de fornecedores locais. Para fortalecer o setor produtivo, diz Rafael, é preciso garantir a formação de indústria articulada, o que inclui montadoras, autopeças, parque de ferramentaria, engenharia.

Rodrigo Pinto/ABCDMAIOR rafael marques.jpg
'Uma indústria completa, articulada, garante relevância no mercado global', afirma o presidente do TID-Brasil

"Uma indústria completa, articulada, garante relevância no mercado global", afirma o presidente do TID-Brasil. "O mercado interno deve ser uma forma de também aumentar a complexidade de sua indústria, da economia."

Ele manifesta preocupação com a possível intenção do governo de apenas anunciar o programa após a conclusão de negociações com a União Europeia e com o Mercosul. "Seria ruim ter um vácuo", diz, lembrando que o Inovar-Auto termina no mês que vem.

Em setembro, o secretário de Desenvolvimento e Competitividade Industrial do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Igor Calvet, disse, também à Agência Brasil, que mesmo com problemas o programa – criado em boa parte com participação dos trabalhadores – foi positivo. "Nós temos,  a partir do Inovar-Auto, uma grande capacidade produtiva de pelo menos 450 mil veículos por ano. Tivemos ampliação da produção, vários investimentos foram feitos, várias montadoras chegaram ao país, assim como laboratórios de pesquisa e outras coisas mais."

O TID-Brasil, criado há um mês, tem a preocupação de participar das discussões de diretrizes para o desenvolvimento da indústria brasileira, com fomento de pesquisa e desenvolvimento e medidas que levem à eficiência energética, preocupações do Inovar-Auto que devem se manter no Rota 2030. A entidade já acompanha debates que envolvem temas como relação com a China, União Europeia e Mercosul. "O governo precisa ter uma posição clara em defesa do parque industrial brasileiro", afirma Rafael, para quem também é preciso incluir novos temas na pauta sindical.

Ele chama a atenção para a importância de acompanhar as negociações econômicas internacionais, pelo impacto direto que isso tem na economia local. "A Austrália, quando fez acordo bilateral com a Tailândia, em menos de 15 anos acabou a indústria automobilística."