IPCA

Alimentos e energia seguram inflação oficial em setembro

Taxa em 12 meses vai a 2,54%. Preços dos combustíveis aumentaram

Pixabay
Inflação

A alimentação fora do domicílio subiu 0,18%. Segundo a pesquisa, item variou de -2,71% (Brasília) a 0,96% (Grande Rio)

São Paulo – O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), indicador oficial de inflação no país, variou 0,16% no mês passado, pouco abaixo de agosto (0,19%) e acima de setembro de 2016 (0,08%). No ano, o IPCA soma 1,78%, ante 5,51% em igual período do ano anterior – é a menor taxa para esse período desde 1998. Em 12 meses, atinge 2,54%. Os resultados foram divulgados nesta sexta-feira (6) pelo IBGE.

Os preços dos alimentos – em queda, embora em ritmo menor – e a tarifa de energia, que mudou da bandeira vermelha para amarela, mantiveram a inflação oficial estável no mês. O grupo Alimentação e Bebidas teve retração pelo quinto mês seguido (-0,41%, ante -1,07% em agosto), com os alimentos para consumo em casa caindo 0,74%. O IBGE destaca, entre outros produtos, tomate (-11,01%), alho (-10,42%), feijão carioca (-9,43%), batata-inglesa (-8,06%) e leite longa vida (-3%). Entre as altas, estão carnes (1,25%) e frutas (1,74%), que haviam caído de preço em agosto.

Já a alimentação fora do domicílio subiu 0,18%. Segundo a pesquisa, esse item variou de -2,71% (Brasília) a 0,96% (Rio de Janeiro).

O grupo Habitação caiu 0,12%, com influência da conta de energia, que caiu, em média, 2,48%. O preço do gás de botijão aumentou 4,81% e a taxa de água e esgoto teve alta de 0,28%. 

Em Transportes (0,79%), os combustíveis registraram aumento de 1,91%, representando o maior impacto individual do mês (0,10 ponto percentual). O litro da gasolina subiu, em média, 2,22%. Com o efeito Rock in Rio, entre outros fatores, as passagens aéreas aumentaram 21,90%, impacto de 0,07 ponto no resultado de setembro.

Entre as regiões pesquisadas, o IPCA variou de -0,26% (região metropolitana de Recife) a 0,54% (Grande Vitória). Em São Paulo, que tem peso de quase 31% no resultado total, a taxa foi de 0,19%, abaixo de Brasília (0,22%) e acima do Rio (0,13%). No acumulado em 12 meses, vai de 0,85% (Goiânia) a 3,99% (Brasília).

INPC

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) foi de -0,02%, menor variação para setembro desde 1998. O acumulado no ano é de 1,24%, ante 6,18% em igual período de 2016. Em 12 meses, passou para 1,63%.