Carteira assinada

Serviços e construção puxam queda do emprego formal em São Paulo

Estado perdeu 308 mil vagas em relação ao primeiro trimestre de 2016, sendo 180 mil na região metropolitana

EBC
setor construção civil.jpg

A construção eliminou 89.950 vagas (queda de 12,3%), enquanto a atividade de serviços fechou 96.845 vagas

São Paulo – O estado de São Paulo fechou 308.461 postos de trabalho formais no primeiro trimestre, queda de 2,5% no estoque em relação a igual período de 2016, com destaque para os setores de construção civil e serviços, aponta estudo da Fundação Seade, ligada ao governo paulista. Na região metropolitana, que responde por 53% dos empregos com carteira assinada, a retração foi de 2,8%, com eliminação de 179.751 vagas. Os dados se baseiam no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho.

A atividade de serviços fechou 96.845 vagas (-1,6%), principalmente em atividades administrativas/serviços complementares (34.887), transporte, armazenagem e correio (29.461), informação/comunicação/atividades financeiras (20.729). A construção eliminou 89.950, queda de 12,3%), enquanto a indústria de transformação cortou 78.987 (-3,3%), com destaque para o setor metal-mecânico (-48.266).

Também foram fechadas vagas no comércio/reparação de veículos: 34.354, queda de 1,3%. E a agricultura/pecuária cortou 7.345 (-2,2%).

O número de emprego formais no estado, no final do trimestre, foi de 11.938.009. Cai 2,5% na comparação anual e fica estável (0,1%) em relação ao último período de 2016. 

Na região metropolitana, o estoque de empregos atingiu 6.305.034, variação de -2,8% em um ano e de -0,3% no trimestre.  

De janeiro a março, a ocupação com maior saldo negativo foi a de vendedor de comércio varejista, com menos 10.956 empregos. Depois vêm trabalhador no cultivo de árvores frutíferas (-9.587), operador de caixa (-6.131) e vigilante (-2.800).

No mesmo período, os principais saldos positivos foram registrados com as seguintes ocupações: trabalhador na cultura de cana de açúcar (12.081), alimentador de linha de produção (5.281) auxiliar de escritório (4.353), tratorista agrícola (3.656) e professor de nível médio no ensino fundamental (3.412).