Atividade

Produção industrial registra queda de fevereiro para março

Foi o pior resultado para o mês desde 2002. Setor automobilístico foi destaque negativo. Na comparação com 2016, atividade cresce

EBC
Móveis

Queda de atividade chegou a 11% em um mês na indústria de móveis

São Paulo – A produção industrial brasileira caiu 1,8% de fevereiro para março, segundo o IBGE, que divulgou os resultados hoje (3). Foi o pior resultado para o mês desde o início da série histórica, em 2002. Na comparação com março do ano passado, a atividade cresce 1,1%. De acordo com o instituto, a produção sobe 0,6% no trimestre, em relação a igual período de 2016 (primeiro resultado positivo em 11 trimestres), e recua 3,8% em 12 meses, com menor ritmo de queda.

No mês, o IBGE registrou resultados negativos nas quatro categorias econômicas pesquisadas e em 15 dos 24 ramos. Entre os setores, destaque para veículos automotores, reboques e carrocerias (-7,5%), produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-23,8%) e coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-3,3%).

O instituto cita ainda as quedas em indústrias extrativas (-1,1%), máquinas e equipamentos (-4,9%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-6,4%), móveis (-11%), confecção de artigos do vestuário e acessórios (-4,7%) e produtos de metal (-3,2%). Dos nove ramos com crescimento, o de produtos alimentícios subiu 1,3%, compensando em parte o recuo de 2,4% no mês anterior.

Já na comparação com março do ano passado, houve resultado positivo em três das quatro categorias, 16 dos 26 ramos, 48 dos 79 grupos e 53,8% dos 805 produtos. Veículos automotores registrou expansão de 10,9% e indústrias extrativas, de 7%. Produtos farmoquímicos e farmacêuticos  tem queda de 28,2%) e coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, de 7%.