consumismo

Idec: consumidor deve estar alerta com falsos descontos na Black Friday

Entidade alerta para riscos de fraudes e armadilhas, facilitados pelo apelo ao consumismo desenfreado

Rovena Rosa/Agência Brasil
black friday.jpg

Independentemente do preço que se paga, consumir tem direito à garantia do produto

São Paulo – A advogada do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Claudia Almeida alerta os consumidores “empolgados” com a chamada Black Friday – dia em que, supostamente, o comércio promove grandes liquidações de produtos e serviços –, que ocorre na próxima sexta-feira (25). Segundo Claudia, é importante controlar o consumismo e priorizar apenas as reais necessidades, resistindo ao apelo de comprar impulsivamente.

À Rádio Brasil Atual, Claudia também diz que os compradores devem estar atentos aos preços maquiados como “promoções”. Confira um trecho da entrevista:

 

Em edições anteriores, a Black Friday foi chamada de “Black Fraude”. Ainda existe isso?

Ainda existem preços mascarados. Antes do dia, eles aumentam o valor do produto e aplicam o desconto. É uma maquiagem de preços. O ideal é a pessoa ter noção do preço do produto que deseja.

A Black Friday abrange tanto compras pela internet, quanto lojas físicas. Quais são os cuidados específicos a se tomar para cada setor?

Nas compras virtuais, os consumidores devem tirar um print-screen da tela do site em que faz a compra. Nas edições anteriores, um produto aparecia na capa do site por um valor menor, mas quando entrava na página do produto o preço estava maior. É publicidade enganosa. Se você conseguir comprovar que o produto tinha um preço diferente, o vendedor é obrigado a cumprir a oferta.

Outra coisa que vale lembrar é a qualidade do produto. Independentemente do preço que se paga, você tem direito à garantia. Então, se você compra um mostruário, o consumidor tem que ser avisado.

O Procon de São Paulo divulga uma lista de sites não confiáveis. É importante as pessoas já acessarem para evitar acessá-los.

Ouça: