Home Economia Saldo comercial cresce em julho, e superávit no ano supera US$ 28 bi
Balança

Saldo comercial cresce em julho, e superávit no ano supera US$ 28 bi

Em 12 meses, superávit comercial é de US$ 43,3 bilhões. Importações caem mais do que as vendas brasileiras
Publicado por Redação RBA
16:55
Compartilhar:   
abr
balança comercial.jpg

De janeiro a julho, exportações somam US$ 106,583 bilhões, queda de 5,6% em relação a igual período de 2015

São Paulo – Com superávit de US$ 4,578 bilhões em julho, a balança comercial brasileira já soma saldo de US$ 28,230 bilhões no ano, melhor resultado para o período, segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio Exterior e Serviços, que divulgou os resultados na tarde de hoje (1º). Em 12 meses, o superávit soma US$ 43,301 bilhões.

De janeiro a julho, as exportações brasileiras somam US$ 106,583 bilhões, queda de 5,6% em relação a igual período de 2015, com base na média diária. As importações atingem US$ 78,353 bilhões, retração de 27,6%, pelo mesmo critério.

No acumulado em 12 meses, até julho, as vendas brasileiras ao exterior totalizam US$ 184,855 bilhões (-8,5%), enquanto as importações somam US$ 141,555 bilhões (-29,5%).

Também de janeiro a julho, caíram as vendas para América Central e Caribe (-28,6%), Mercosul (-14%), Estados Unidos (-10,9%), África (-10,1%), Oriente Médio (-6,9%), União Europeia (-4,2%) e Ásia (-1,4%). Cresceram as exportações para Oceania (7,2%). Os principais destinas das vendas brasileiras foram China (US$ 24,5 bilhões), Estados Unidos (US$ 12,6 bilhões), Argentina (US$ 7,6 bilhões), Países Baixos (US$ 6,4 bilhões) e Alemanha (US$ 2,7 bilhões).

Nas importações, houve retração nas compras vindas de América Central e Caribe (-60,1%), África (-39,8%), Oceania (-39,2%, Ásia (-32,4%), Oriente Médio (-28,4%), Mercosul (-21,9%), Estados Unidos (-20,2%) e União Europeia (-20%). Os principais países de origem das importações foram China (US$ 13,2 bilhões), Estados Unidos (US$ 13,2 bilhões), Alemanha (US$ 5,4 bilhões), Argentina (US$ 5,0 bilhões) e Coreia do Sul (US$ 3,6 bilhões).