Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2015 / 05 / Preço da cesta básica em abril aumenta em 17 de 18 capitais

Dieese

Preço da cesta básica em abril aumenta em 17 de 18 capitais

Principais altas foram registradas em itens como tomate, pão francês, carne bovina, óleo de soja e leite. Instituto calculou salário mínimo necessário em R$ 3.251,61
por Redação RBA publicado 07/05/2015 13h43
Principais altas foram registradas em itens como tomate, pão francês, carne bovina, óleo de soja e leite. Instituto calculou salário mínimo necessário em R$ 3.251,61
Venilton Küchler/ SESA
DSC_0100.jpg

O preço do tomate aumentou em 17 cidades, com altas de 2,05% (Aracaju) a 45,98% (Campo Grande)

São Paulo – Com alta de itens como tomate, pão francês, carne bovina, óleo de soja e leite, o preço da cesta básica aumentou no mês passado em 17 das 18 capitais pesquisadas pelo Dieese. As maiores elevações foram apuradas em Campo Grande (6,05%), Rio de Janeiro (4,51%), Natal (3,98%) e João Pessoa (3,98%). Só houve queda (-1,73%) em Manaus.

O maior valor em abril foi apurado em São Paulo, onde o preço subiu 2,03%: R$ 387,05. Em seguida, ficaram Vitória (R$ 376,46) e Rio de Janeiro (R$ 374,85). Segundo o instituto, os menores valores foram os de Aracaju (R$ 281,61), João Pessoa (R$ 299,90) e Natal (R$ 300,73).

Com base na cesta mais cara, o Dieese calculou em R$ 3.251,61 o salário mínimo necessário para as despesas básicas (alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência) de um trabalhador e sua família. Esse valor corresponde a 4,13 vezes o mínimo oficial (R$ 788). A proporção aumenta em relação a março (4,04 vezes) e diminuiu na comparação com abril de 2014 (4,17).

Nos primeiros quatro meses do ano, os preços da cesta subiram em todas as capitais, variando de 3,3% (Manaus) a 17,41% (Salvador). Em 12 meses, também houve altas nas 18 cidades pesquisadas, com destaque para Aracaju (18,3%), Salvador (14,6%), Goiânia (11,74%) e João Pessoa (11,01%). As menores elevações foram registradas em Belo Horizonte (1,71%) e Porto Alegre (2,67%).

O tempo médio necessário para adquirir os produtos da cesta básica foi de 94 horas e 28 minutos, ante 91 horas e 59 minutos em março. Em abril do ano passado, a jornada foi de 95 horas e 36 minutos.

Produtos

O preço do tomate aumentou em 17 cidades, com altas de 2,05% (Aracaju) a 45,98% (Campo Grande). Só não houve alta em Manaus (-4,67%). "A crise hídrica do início do ano prejudicou a colheita do tomate. Além disso, há possibilidade de não irrigação suficiente das lavouras de inverno, por conta do volume dos reservatórios", diz o Dieese.

Já o pão francês aumentou em 16 capitais, com estabilidade no Rio de Janeiro e retração (-0,82%) em Goiânia. As elevações foram de 0,28% (Natal) a 8,75% (Aracaju). "A desvalorização do real diante do dólar fez com que a importação de trigo ficasse mais cara, elevando o preço da farinha, insumo do pão francês", informa o instituto. "Também o aumento da energia elétrica teve impacto nos custos de produção do bem."

O preço da carne bovina também subiu em 16 cidades – as exceções foram as capitais pesquisadas na região Norte, Belém (-1,35%) e Manaus (-0,2%). As altas foram de 0,05% (Brasília) a 4,64% (Natal). "Exportação elevada e baixa oferta de animais para abate, devido aos altos custos de reposição, afetaram a oferta da carne no varejo, o que explica a elevação do preço ao consumidor."