Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2015 / 04 / Com a quinta alta seguida, taxa básica de juros vai a 13,25%

Selic

Com a quinta alta seguida, taxa básica de juros vai a 13,25%

É o nível mais alto desde dezembro de 2008. Decisão foi unânime
por Redação RBA publicado 29/04/2015 19h52, última modificação 29/04/2015 20h01
É o nível mais alto desde dezembro de 2008. Decisão foi unânime

São Paulo – A taxa básica de juros foi a 13,25% ao ano, na quinta alta seguida. A decisão, unânime, foi anunciada na noite de hoje pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. A elevação foi de meio ponto percentual, sem viés. Com isso, a Selic atinge o seu maior índice desde dezembro de 2008 (13,75%).

A nota divulgada logo depois do encerramento da reunião do Copom não muda em relação a comunicados anteriores: o Comitê decidiu elevar a taxa "avaliando o cenário macroeconômico e as perspectivas para a inflação".

Apenas neste segundo mandato da presidenta Dilma Rousseff, a alta da taxa básica já soma um ponto percentual. As cinco elevações seguidas totalizaram 2,25 pontos percentuais, de 11% para 13,25%.

No início de 2013, em uma sequência de cortes, a Selic chegou a 7,25%, seu menor nível histórico. Desde então, a tendência se inverteu.

"É frustrante, neste momento em que nossa economia está estagnada, presenciarmos o Banco Central tomar medidas nefastas e bajular os rentistas, que vivem da especulação", afirmou, em nota, o presidente da Força Sindical, Miguel Torres.  "Os insensíveis tecnocratas do Banco Central perderam, novamente, uma ótima oportunidade de afrouxar um pouco a corda que está estrangulando o setor produtivo, justamente quem gera emprego e renda. Lamentamos profundamente que a produção, o crescimento e a geração de empregos sejam os grandes perdedores com esta decisão do Copom. Os juros altos seguem na contramão da produção, do crédito e do consumo."

"Infelizmente, esses mecanismos meramente monetários já não produzem efeitos no sentido de conter a inflação e são nocivos à meta de retomada do crescimento", criticou o presidente da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf), Levi Ceregato.