Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2015 / 01 / Apesar de 2014 fraco, primeiro mandato de Dilma cria 4,8 milhões de empregos

carteira assinada

Apesar de 2014 fraco, primeiro mandato de Dilma cria 4,8 milhões de empregos

Ano passado foi o pior para o emprego formal desde 1999. Mas saldo dos quatro anos é comparável ao do primeiro período de Lula e bem melhor que a primeira metade da gestão FHC
por Redação RBA publicado 23/01/2015 14h10, última modificação 23/01/2015 18h11
Ano passado foi o pior para o emprego formal desde 1999. Mas saldo dos quatro anos é comparável ao do primeiro período de Lula e bem melhor que a primeira metade da gestão FHC
reprodução
caged.jpg

Em todo o ano, apenas dois setores se destacam na criação de vagas, principalmente o de serviços, com 476.108

São Paulo – Com saldo de 396.993 vagas, 700 mil a menos do que no ano anterior, 2014 foi o mais fraco desde 1999 para o mercado formal de trabalho, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado hoje (23) pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Mas o primeiro mandato de Dilma Rousseff (2011-2014) mostrou resultado comparável ao dos primeiros quatro anos de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2006) e bem melhor do que a primeira metade da gestão de Fernando Henrique Cardoso (1995-1999). Segundo os dados do MTE, o estoque de trabalhadores formais chega a 41 milhões. O dado positivo não esconde preocupação com as perspectivas para o mercado de trabalho em um ambiente pouco propício ao crescimento.

De 2011 a 2014, o Caged mostra saldo de 4,8 milhões de empregos com carteira assinada (o número não inclui a Relação Anual de Informações Sociais - Rais, que considera também os estatutários). O volume é próximo do primeiro mandato de Lula, quando foram criadas 5,6 milhões de vagas formais, de acordo com dados ajustados pelo ministério. No primeiro governo FHC, o país eliminou 1 milhão de postos de trabalho. O governo divulgou hoje um total de 5,2 milhões, mas incluindo informações da Rais.

Somado todo o período 2003-2014, o número de empregos com carteira criados no país chega a 17,7 milhões. Os dados são apenas do Caged.

O salário de admissão em 2014 teve aumento real (acima da inflação) de 0,92%, tendo como base o INPC-IBGE, e chegou a R$ 1.181,56. O ganho real foi de 1,39% para as mulheres e de 0,84% no caso dos homens. A relação entre o valor médio do salário das mulheres (R$ 1.075,52) e o dos homens (R$ 1.247,89) passou de 85,72%, em 2013, para 86,19%.

O ministro Manoel Dias afirmou que o Brasil "vive o pleno emprego", com regiões onde a taxa de desemprego fica abaixo dos 3%, citando Rio de Janeiro e Santa Catarina. "Em 2015, como os prognósticos da economia são mais positivos que em 2014, acreditamos que vamos continuar gerando empregos", acrescentou. Ele ressaltou que o Brasil continuou abrindo postos de trabalho, enquanto muitos países ainda não recuperaram o nível de emprego desde o início da crise internacional, em 2008. "Nesse mesmo período, o Brasil gerou mais de 10,5 milhões de postos de trabalho."

Embora o mercado formal brasileiro continue abrindo empregos, um movimento por vezes contrário à tendência mundial, o ritmo caiu pelo quarto ano seguido. Depois do recorde de 2,543 milhões de vagas com carteira em 2010, foram 1,945 milhão em 2011, 1,302 milhão em 2012 e 1,117 milhão em 2013, para chegar nos menos de 400 mil ano passado.

Apenas em dezembro, foram eliminados 555.508 postos de trabalho, perdendo na série histórica apenas para 2008 (-654.946). Por fatores sazonais, em toda a série do Caged há corte de vagas no último mês de ano. Em dezembro de 2014, todas os setores de atividade eliminaram empregos, sendo 171.763 na indústria de transformação (-2,05%), 132.015 na construção civil (-4,24%) e 148.734 nos serviços (-0,86%).

Em todo o ano, apenas dois setores se destacam na criação de vagas, principalmente o de serviços, com saldo de 476.108. O comércio abriu 180.814. A indústria fechou 163.817, enquanto a construção civil eliminou 106.476. A administração pública teve saldo positivo de 8.257, enquanto a agropecuária, praticamente estável, fechou 370 postos de trabalho.

 

Nota da Redação: a matéria foi corrigida às 15h, porque os dados do Caged divulgados hoje relativos ao período 2003-2006 são diferentes dos que constam no site do Ministério do Trabalho e Emprego.