Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2014 / 05 / Agricultura familiar depende de crédito para se consolidar na América Latina

conferência para alimentação

Agricultura familiar depende de crédito para se consolidar na América Latina

por Leandra Felipe, da Agência Brasil publicado 09/05/2014 10h11
Tomaz Silva/Agência Brasil
agircultores_fao.jpg

A organização internacional recomenda a expansão, no continente, dos cultivos em propriedades familiares

Bogotá A agricultura familiar representa uma alternativa para combater a fome na América Latina, mas depende de crédito aos camponeses e à população indígena para se consolidar. A avaliação é do secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Laudemir Müller, que apresentou hoje (8) um painel em conferência em Santiago, no Chile.

Segundo o secretário, que participa da 33ª Conferência Regional das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês), a organização internacional recomenda a expansão, no continente, dos cultivos em propriedades familiares. “A FAO referenda as políticas de agricultura familiar e vê em seu fortalecimento um fator essencial para a segurança alimentar e erradicação da fome na região”, disse Müller à Agência Brasil.

Durante a apresentação do painel Reposicionamento da Agricultura Familiar na Agenda da América Latina e Caribe, Müller explicou o modelo de agricultura familiar, adotado no Brasil e em países vizinhos. “A agricultura familiar fortalecida é o que nos permite garantir alimentos de maneira sustentável internamente Não é por acaso que o setor hoje vem se tornando um eixo das políticas agrícolas, ambientais e sociais”, disse o secretário-executivo.

Na apresentação, Müller mostrou números do Brasil e ressaltou a importância da agricultura familiar na redução da desigualdade e no aumento de renda no país. “Na visão do Brasil, a distribuição de renda passa pela agricultura familiar, pela reforma agrária e pela integração dessas políticas”, disse. Ele, no entanto, acrescentou que as políticas sociais precisam de estrutura para darem certo. “É preciso criar as condições. Sem crédito e sem apoio, a agricultura familiar não teria deslanchado”, explicou.

De acordo com o secretário executivo, atualmente há 4 milhões de estabelecimentos de agricultura familiar no Brasil e 88 mil hectares de terra destinados à reforma agrária. “São 900 mil famílias assentadas”, declarou. Ele disse que o desafio para o Brasil e os países da região é garantir que os camponeses e indígenas tenham acesso a crédito. “No Brasil metade dos estabelecimentos tem financiamento. Precisamos de ampliar para a totalidade”, disse.

Amanhã (9), no último dia da Conferência, os países e a FAO apresentarão um documento com a revisão das metas de erradicação da fome na América Latina até 2025. O objetivo de reduzir a desnutrição pela metade até 2015 já foi alcançado, mas neste momento o organismo internacional revê a agenda e as dificuldades que podem influenciar ou dificultar o cumprimento do objetivo, como as mudanças climáticas.