Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2013 / 06 / Nível de emprego na indústria fica estável em abril, aponta IBGE

Nível de emprego na indústria fica estável em abril, aponta IBGE

Em busca da recuperação
por Flávia Villela, da Agência Brasil publicado 12/06/2013 12h48
Em busca da recuperação

Rio de Janeiro – A taxa de emprego industrial medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) não se alterou em abril, após variar 0,2% em março e ficar estável em fevereiro último. Os resultados da Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário (Pimes) de abril foram divulgados hoje (12) e apontam que, na comparação com março, o total do pessoal ocupado assalariado recuou em 11 dos 18 ramos pesquisados, sobretudo, no setor de calçados e couro (-6,4%), outros produtos da indústria de transformação (-4,3%), vestuário (-3,0%), máquinas e equipamentos (-2,3%), madeira (-5,5%), produtos têxteis (-2,6%) e minerais não-metálicos (-2,1%). Por outro lado, os principais impactos positivos sobre a média da indústria foram observados nos setores de alimentos e bebidas (2,8%), borracha e plástico (2,7%) e produtos de metal (1,7%).

Na comparação com abril de 2012, o emprego industrial mostrou queda de 0,5% em abril de 2013, 19º resultado negativo consecutivo nesse tipo de confronto. Ainda assim o resultado foi o menos intenso desde janeiro do ano passado (-0,4%). Houve redução do contingente de trabalhadores em oito dos 14 locais pesquisados.

Em uma análise regional, o principal impacto negativo foi observado na Região Nordeste (-4,0%). Houve quedas acentuadas em Pernambuco (-7,3%), na Bahia (-5,3%) e no Rio Grande do Sul (-1,6%). Já Santa Catarina (1,4%) e regiões Norte e Centro-Oeste (1,1%) registraram as contribuições positivas mais relevantes sobre o emprego industrial do país.

No índice acumulado para o primeiro quadrimestre deste ano, o total do pessoal ocupado na indústria recuou 0,9%, comparado ao mesmo período do ano anterior. O ritmo de queda foi menos acentuado do que o registrado no último quadrimestre de 2012 (-1,4%), comparado também com o mesmo período do ano anterior. No primeiro quadrimestre de 2013, a Pimes registrou taxas negativas em dez dos 14 locais e em 12 dos 18 setores investigados.

No acumulado dos últimos doze meses, o índice recuou 1,3% em abril, marca próxima das registradas em dezembro (-1,4%), janeiro (-1,4%), fevereiro (-1,5%) e março (-1,4%).

Na análise sobre os rendimentos dos trabalhadores da indústria, a Pimes revela que em abril, o número de horas pagas aos trabalhadores da indústria avançou (1%) na comparação com março, quando recuou 0,3%. Segundo o IBGE, trata-se da mais elevada expansão desde outubro do ano passado (1,1%).

Se comparado a abril do ano passado, o número de horas pagas subiu 0,1%, com taxas positivas em sete dos 14 locais e em dez dos 18 ramos pesquisados. Esse resultado interrompeu 19 meses de taxas negativas consecutivas nesse tipo de confronto. São Paulo apontou a principal contribuição positiva (1,3%) sobre o total de horas pagas no país.

O valor da folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria apontou variação positiva de 0,2% em abril, após recuar 0,5% no mês anterior. O estudo mostra que esse resultado foi influenciado pelo comportamento positivo da indústria de transformação (0,2%) e do setor extrativo (0,4%).

No confronto com o mesmo período de 2012, o valor da folha de pagamento real cresceu 2,6% em abril, 40ª taxa positiva consecutiva nesse tipo de comparação. No índice acumulado no primeiro quadrimestre, o valor da folha de pagamento real na indústria avançou 2%. Já a taxa anualizada, índice acumulado nos últimos doze meses, registra alta de 3,6%.

registrado em: , ,