Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2013 / 02 / 'Petrobras terá 1º semestre ainda mais difícil do que 2012', diz Graça Foster

'Petrobras terá 1º semestre ainda mais difícil do que 2012', diz Graça Foster

Presidenta da empresa disse que a produção em 2013 deverá crescer 2%, para mais ou para menos, em relação à produção de 2012, que alcançou 1,98 milhão de barris de petróleo por dia
por Nielmar de Oliveira, da Agência Brasil publicado 05/02/2013 17h59, última modificação 05/02/2013 18h42
Presidenta da empresa disse que a produção em 2013 deverá crescer 2%, para mais ou para menos, em relação à produção de 2012, que alcançou 1,98 milhão de barris de petróleo por dia

Rio de Janeiro – A presidenta da Petrobras, Maria das Graças Foster, previu hoje (5) que o primeiro semestre deste ano será ainda mais difícil para a companhia do que foi 2012, em que a empresa fechou com um lucro líquido de R$ 21,1 bilhões, o pior resultado dos últimos oito anos e 36% menor do que o de 2011.

Em entrevista coletiva para apresentar o balanço da estatal relativo ao ano passado, Foster se recusou a utilizar a palavra “pior” e disse que a preocupação com a melhoria do desempenho é uma constante na atividade do setor de petróleo.

“Não utilizo a palavra pior, mas será um ano duro e certamente mais difícil do que foi ao longo de 2012. O primeiro semestre será certamente um período mais duro, até porque, necessariamente, teremos de fazer  paradas programadas (de plataformas), para a realização de trabalhos de manutenção.”

A presidenta da estatal disse que, se pudesse, dividiria 2013 em dois anos. “No primeiro, de janeiro a junho, nós enfrentaremos muitas dificuldades. Já no segundo ano, de julho a dezembro, eu diria que seria o ano da partida para a nossa recuperação.”

Na avaliação de Foster, a produção em 2013 deverá crescer 2%, “para mais ou para menos”, em relação à produção de 2012, que alcançou 1,98 milhão de barris de petróleo por dia, um pouco abaixo da meta prevista, de 2,02 milhões de barris diários – com variação de 2% para cima ou para baixo.

Ao justificar o otimismo para o segundo semestre do ano, a presidenta da Petrobras ressaltou a entrada em produção de sete plataformas, incluindo a P-58, que deverá começar a produzir o primeiro óleo em janeiro de 2014.

“É a partir dessas plataformas que se dará a virada para nós, daí eu preferir separar o ano em dois semestres distintos”, justificou. Para ela, este será um ano em que a diretoria da empresa terá de trabalhar duro para mitigar os riscos e, consequentemente, a percepção que as agências de avaliação de risco têm sobre a empresa. "E, para fechar bem 2013, teremos primeiro de passar pelo primeiro semestre."

O diretor financeiro e de relações com os investidores, Almir Barbassa, também presente à coletiva, disse que a empresa mantém os planos de captação de US$ 80 bilhões no mercado nos próximos cinco anos, e que deverá manter, este ano, a média do ano passado, quando foram captados US$ 20 bilhões.

Sobre o reajuste nos preços de seus principais derivados, a presidenta da Petrobras disse que os reajustes nos preços da gasolina e do diesel ainda não foram suficientes para eliminar a diferença do que é cobrado no mercado interno, em relação ao mercado externo, e que a diferença entre os preços dos derivados praticados no país e os que são cobrados no exterior gira em torno dos 17%, em grande parte em razão da depreciação do real frente ao dólar.

Graça Foster citou como exemplo de prejuízos decorrentes dessa diferença as perdas relativas à importação de gasolina e diesel, que foram de R$ 22,9 bilhões – uma vez que as importações de gasolina aumentaram 102%, em face do aquecimento do mercado interno, e a do diesel,16%.

A executiva negou, de forma categórica, que a empresa venha enfrentando dificuldades para pagar seus fornecedores de bens e serviços em decorrência de problemas de geração de caixa.

“Não tem represamento algum, não há atraso de pagamentos, não deixamos de pagar nenhum fornecedor. Não mudou nada. Temos disciplina orçamentária e ela vem sendo cumprida. É mais do que justo que nossos fornecedores recebam em dia, nós fazemos questão de pagar logo o que é devido e é assim que nós agimos. Os pleitos que existem envolvem pendências em relação à documentação”, garantiu.