Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2013 / 01 / Vendas no comércio varejista tiveram em novembro a sexta alta seguida

Vendas no comércio varejista tiveram em novembro a sexta alta seguida

Em relação a novembro de 2011, volume aumentou 8,4%. Segundo o IBGE, principal impacto vem da atividade de hipermercados, alimentos e bebidas, refletindo aumento do poder de compra e estabilidade no emprego
por Redação da RBA publicado 15/01/2013 09h44, última modificação 15/01/2013 09h48
Em relação a novembro de 2011, volume aumentou 8,4%. Segundo o IBGE, principal impacto vem da atividade de hipermercados, alimentos e bebidas, refletindo aumento do poder de compra e estabilidade no emprego

São Paulo – As vendas no comércio varejista cresceram 0,3% de outubro para novembro, na sexta alta seguida, segundo informou hoje (15) o IBGE. A receita nominal, que sobe há nove meses, aumentou 0,8%. Na comparação com novembro de 2011, o volume de vendas cresceu 8,4% e a receita, 13,7%. Segundo o instituto, as vendas aumentam 8,9% no acumulado de 2012 e 8,6% em 12 meses, enquanto a receita tem variação de 12,5% e 12,2%, respectivamente.

O principal impacto continua sendo do setor de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que cresceu 8,3% sobre novembro de 2011 e correspondeu a 43% da taxa geral. A atividade sobe 8,6% no ano e 8,2% em 12 meses. “A despeito da elevação dos preços, este mês a atividade obteve desempenho em torno da média, impulsionada pelo aumento do poder de compra da população, decorrente do crescimento da massa de rendimento e da estabilidade do emprego”, diz o IBGE.

O segundo maior impacto (19% na taxa global) vem da atividade de móveis e eletrodomésticos, que registrou crescimento de 8,3% sobre novembro de 2011. “Esse resultado, próximo à média estabelecida no setor, é atribuído basicamente ao crédito, à redução de preços dos eletroeletrônicos estimulada pela manutenção da redução do IPI decretada pelo Governo, e à trajetória positiva da massa de rendimentos real habitual dos ocupados como visto anteriormente”, relata o instituto. O segmento cresce 12,7% no ano e 13% em 12 meses.

Com 18% de participação na taxa, a atividade de outros artigos de uso pessoal e doméstico – que reúne segmentos como loja de departamentos, ótica, joalheria, artigos esportivos e brinquedos – teve variação de 18,2% sobre novembro de 2011. “As condições favoráveis da massa de salários e do crédito vêm mantendo os níveis de crescimento da atividade acima da média”, informa o IBGE. Essa atividade aumenta 9,3% de janeiro a novembro e 8,5% em 12 meses.

De outubro para novembro, o instituto apurou resultados positivos em cinco das dez atividades pesquisadas, com destaque para outros artigos de uso pessoal e doméstico (4,2%), tecidos, vestuário e calçados (2,1%) e hipermercados (0,6%). Tiveram resultados negativos móveis e eletrodomésticos (-0,2%), material de construção (-0,9%), combustíveis e lubrificantes (-1,5%), veículos e motos, partes e peças (-5%) e equipamentos de escritório, informática e comunicação (-11,4%).

O chamado comércio varejista ampliado, que inclui veículo, motos, partes e peças, teve queda de 1,2% nas vendas 0,1% na receita, de outubro para novembro. Em relação a novembro de 2011, o volume sobe 7,2% e a receita aumenta 9,4%. O volume de vendas sobe 8,4% no ano e 8% em 12 meses, enquanto a receita tem altas de 9,7% e 9,4%.

registrado em: , , ,