Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2012 / 09 / Preço da cesta básica sobe em 15 das 17 capitais analisadas pelo Dieese

Preço da cesta básica sobe em 15 das 17 capitais analisadas pelo Dieese

por Elaine Patricia Cruz, da Agência Brasil publicado 04/09/2012 15h01, última modificação 04/09/2012 15h01

São Paulo - Em agosto, o preço da cesta básica subiu em 15 das 17 capitais brasileiras que são analisadas na Pesquisa Nacional da Cesta Básica, divulgada hoje (4) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Segundo o Dieese, as maiores altas ocorreram em Florianópolis (10,92%), Curitiba (4,69%) e no Rio de Janeiro (4,09%). As únicas capitais onde houve queda foram Natal (-1,64%) e Belo Horizonte (-0,66%).

O aumento nos preços da cesta básica se deve, principalmente, à alta nos preços do pão francês, da farinha, do tomate e do açúcar.

No acumulado do ano, entre janeiro e agosto, todas as capitais apresentaram alta nos preços médios dos alimentos que compõem a cesta básica. Das 17 capitais analisadas, 11 apresentaram variações acima de 10%. No período, o maior aumento ocorreu em Aracaju (16,89%).

A cesta básica mais cara do país é a de Porto Alegre, que custa, em média, R$ 308,27. Em seguida, aparecem as de São Paulo (R$ 306,02) e do Rio de Janeiro (R$ 302,52). As cestas mais baratas são as de Aracaju (R$ 212,99), Salvador (R$ 225,23) e João Pessoa (R$ 233,36).

De acordo com o Dieese, o salário mínimo ideal, suficiente para a manutenção do trabalhador e de sua família e para suprir gastos com alimentação, moradia, vestuário, saúde, transportes, higiene, lazer e previdência, deveria ser R$ 2.598,78. Atualmente, o salário mínimo é R$ 622.