Home Economia Ascensão financeira abrange 71,9% das famílias brasileiras

Ascensão financeira abrange 71,9% das famílias brasileiras

Pesquisa do Ipea mostra crescimento em relação ao ano passado
Publicado por Jorge Wamburg
15:55
Compartilhar:   

Brasília –  O Índice de Expectativa das Famílias (IEF) divulgado nesta segunda-feira (10) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que em setembro, 71,9% das famílias brasileiras indicaram estar melhor financeiramente hoje do que há um ano, percentual ligeiramente inferior ao apresentado no mês anterior (73,8%). Essa queda é verificada no aumento da proporção de famílias que acreditam terem piorado financeiramente, de 22,7% para 23,7%.

A região Centro-Oeste manteve-se a mais otimista no aspecto de melhoria financeira em relação ao ano anterior (83,5%), com quase 10 pontos percentuais a mais em relação à segunda maior, a região Sudeste (73,8%). Enquanto o Centro-Oeste apresentou uma elevação de quase 4 pontos percentuais frente ao mês de agosto, a região Sudeste caiu de 79,2% para 73,8%.

No quesito expectativa sobre a situação financeira das famílias para o próximo ano, a região Norte é a que se mantém mais otimista (92,7%), apesar de uma leve queda em relação aos dados de setembro de 2010 (94,7%).

A pesquisa indica ainda que, nesse mesmo período, o Centro-Oeste, que em outras variáveis vem se mostrando a região mais otimista, demonstrou um salto considerável de expectativas positivas quanto à situação financeira das famílias para os próximos 12 meses, passando de 71,6% para 92,6% entre setembro de 2010 e setembro de 2011.

A média nacional em relação à situação das famílias para o próximo ano (77,8%) e as taxas das regiões Sul (70,3%), Sudeste (75,2%) e Nordeste (77,4%) apresentaram quedas em relação ao mês anterior. A redução mais expressiva foi de 6,2 pontos percentuais, registrada na região Sudeste. A região Sul manteve-se como a menos otimista quanto à situação financeira das famílias para os próximos 12 meses, diz o estudo.

Produzido pelo Ipea desde agosto do ano passado, o IEF revela a percepção das famílias brasileiras em relação à situação socioeconômica do país para os próximos 12 meses e para os cinco anos seguintes. A pesquisa aborda temas como situação econômica nacional; condição financeira passada e futura; decisões de consumo; endividamento e condições de quitação de dívidas e contas atrasadas; mercado de trabalho, especialmente nos quesitos segurança na ocupação e sentimento futuro de melhora profissional.

O IEF é uma pesquisa estatística mensal por amostragem, realizada em 3.810 domicílios de mais de 200 municípios de todo o país, com margem de erro de 5%. A escala de pontuação de expectativas das famílias vai de 0 a 100 e segue as seguintes indicações: grande pessimismo, de 0 a 20 pontos; pessimismo, de 20 a 40 pontos; moderação, de 40 a 60 pontos; otimismo, de 60 a 80 pontos; grande otimismo, de 80 a 100 pontos.

Fator socioeconômico

Os brasileiros permanecem otimistas em relação à situação socioeconômica do país, aponta a pesquisa.  Apesar de o índice apurado em setembro (63,1 pontos) ser 2,1 pontos inferior ao apurado no mês de agosto, a avaliação é de que o brasileiro continua otimista.

A ligeira queda da média nacional (2,1 pontos) refletiu a diminuição dos índices regionais em relação a agosto no Norte, Nordeste e Sudeste. A região Norte apresentou uma diminuição de 4,1 pontos, com 57,1 pontos em setembro, a menor média registrada desde a criação do índice, marcando o retorno do grau de expectativa das famílias de otimista para moderadamente otimista, similar ao ocorrido em julho.

Enquanto isso, as regiões Sul e Centro-Oeste apresentaram elevação do otimismo. A região Sul obteve uma elevação de 4,3 pontos em relação ao mês anterior e volta a demonstrar índice acima de 60 pontos, passando de moderadamente otimista para otimista. O Centro-Oeste continua sendo a região em que as famílias têm expectativas mais otimistas, com 74,9 pontos, 1,9 ponto a mais que em agosto.

Renda e escolaridade

O otimismo sobre o futuro do Brasil é uma característica geral, apesar de algumas variações de acordo com renda e escolaridade. De acordo com o estudo, o grupo com renda de quatro a cinco salários mínimos é o mais confiante sobre as expectativas econômicas do Brasil pelos próximos 12 meses (63,03%). Por sua vez, a faixa da população com renda até um salário mínimo tem a menor expectativa positiva para os próximos 12 meses (55,53%). Apesar disso, em setembro, essa porcentagem subiu 1,73 ponto percentual em relação ao mês de agosto (53,8%).

Quanto à escolaridade, nota-se maior otimismo na faixa da população com ensino médio incompleto (67,58%). Aqueles que não possuem escolaridade ou que têm nível superior ou pós-graduação apresentam, aproximadamente, 37% de expectativas negativas para os próximos 12 meses.

Observa-se uma queda de aproximadamente 7 e 5 pontos percentuais para os grupos sem escolaridade e com fundamental incompleto, respectivamente. Assim como a expectativa sobre a situação econômica financeira para os próximos 12 meses, a população com ensino médio incompleto apresentou a expectativa mais otimista para a situação financeira da família daqui a um ano, com 83,33%.

A pesquisa mostra que, em setembro, as expectativas otimistas aumentaram na proporção em que o salário era mais elevado, apresentando o seu menor índice (69,42%) entre aqueles que ganham até 1 salário mínimo e o mais alto (87,14%) entre aqueles que recebem mais de 10 salários mínimos.

Bens duráveis

A pesquisa aponta que 53,5% das famílias brasileiras afirmam que o momento é propício para compra de bens duráveis, contra 41,1% que acham que o momento não é o ideal, de acordo com dados  do IEF. As regiões Norte e Sul apresentam expectativas pessimistas maiores do que as otimistas sobre o momento para comprar bens duráveis, com índices de 63,3% e 54,1%, respectivamente para cada região.

A Nordeste é a região com maior percentual de otimismo (62,4%), seguida da Centro-Oeste (56,8%) e Sudeste (56,1%). O índice de otimismo na região Norte (32,7%) ainda é menor do que o registrado entre aqueles que consideram um mau momento para a compra de bens duráveis no Nordeste (34,9%).

A menor diferença entre opiniões otimistas e pessimistas encontra-se na média nacional, 12,4 pontos percentuais. Na região Centro-Oeste, os otimistas apresentam uma diferença de 30,1 pontos percentuais frente àqueles que consideram um mau momento.

A pesquisa sobre o grau de endividamento frente à renda familiar manteve-se praticamente igual ao mês anterior, com 9% considerando-se muito endividados e 52,4% declarando não possuir dívidas. A região Centro-Oeste tem a maior proporção de famílias sem dívidas a pagar (82,1%), seguida da Sudeste (62,2%) e da Sul (47,6%).

A região Norte tem uma situação razoavelmente equilibrada entre os grupos que afirmam não possuir dívidas (35,3%), ser pouco endividado (20,3%) e ser “mais ou menos” endividados (32,7%). A região Nordeste possui o maior índice de famílias que estão com dívidas, com 13,6% entre as muito endividadas, quase 4 pontos percentuais acima da média nacional.

Aproximadamente 15,2% das famílias brasileiras afirmam que, embora tenham contas atrasadas, terão condições de quitá-las totalmente e 54,9% poderão quitá-las parcialmente. Das famílias entrevistadas, 28,7% dizem não ter condições de pagar suas contas atrasadas. A região com maior percentual de famílias que não terão tais condições é a Norte, com 40,4%, seguida pela Sudeste, com 31,4%.

A pesquisa constatou ainda que 6,6% das famílias entrevistadas planejavam tomar empréstimo ou financiamento para adquirir algum bem nos próximos três meses – valor ligeiramente maior do que o do mês de agosto. A proporção de famílias que esperam tomar empréstimos é maior no Nordeste (9,7%), sendo 3 pontos percentuais maior que a região Sul (6,7%) – a segunda maior proporção – e 7 pontos percentuais maior que a região Norte (2,7%), que tem a menor inclinação para tomar financiamento ou empréstimo pelos próximos três meses.

Fonte: Agência Brasil