Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2011 / 04 / Apesar de culpar alta de preços no mundo, governo mostra que inflação preocupa

Apesar de culpar alta de preços no mundo, governo mostra que inflação preocupa

Na primeira reunião do CDES no governo Dilma, Mantega atribui pressão apenas a alta de commodities. Tombini, do BC, admite elevações por aquecimento da economia
por Redação da RBA publicado 26/04/2011 13h39, última modificação 26/04/2011 14h26
Na primeira reunião do CDES no governo Dilma, Mantega atribui pressão apenas a alta de commodities. Tombini, do BC, admite elevações por aquecimento da economia

Dilma e ministros participaram da 37ª reunião do CDES, em Brasília (Foto: Roberto Stuckert Filho/Pr)

São Paulo – Discursos da presidenta Dilma Rousseff, do ministro da Fazenda Guido Mantega e do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, deixaram claro que a inflação segue como preocupação central do governo. Nesta terça-feira (26), durante a primeira reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) da atual gestão do Executivo federal, em Brasília (DF) eles mostraram afinação ao dizer que o governo está atento às pressões sobre preços.

"Não nos furtaremos a colocar em ação todas as medidas, e aí repito, todas as medidas que julgarmos necessárias e urgentes", disse Dilma. Segundo ela, o governo está atento às pressões inflacionárias e o efeito das medidas já tomadas ainda não se fez sentir plenamente.

O CDES foi criado em 2003, no primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A iniciativa reúne figuras de diferentes setores da sociedade, como empresários, sindicalistas, economistas etc. A reunião desta terça foi a 37ª desde então.

Mantega disse que o governo brasileiro tem conseguido manter os índices de inflação sob controle bem mais do que outros países em desenvolvimento, como a Rússia e a Índia, que acumularam inflações de 9,4% e 8,8%, respectivamente, em 12 meses, de acordo com resultado apurado em março. Para ele, a situação do Brasil mostra que o país não “está mal na foto mundial".

Para Mantega, o problema da inflação é global, pois o mundo está vivendo um surto inflacionário, com forte pressão do preço das commodities. Nos últimos 12 meses, os alimentos subiram 43,2%, enquanto commodities industriais aumentaram 32,5%. Apesar de não ter como combater essa causa da inflação – relacionada a fatores climáticos e aumento do consumo –, Mantega lembrou que há medidas monetárias ou fiscais que devem ser adotadas pelo governo.

Tombini frisou ainda que o esforço do governo para trazer a inflação ao centro da meta precisa ser prolongado. Ele deixou claro que a inflação. "A inflação brasileira reflete a inflação global elevada... mas também tem componentes locais", admitiu. Para o presidente da autoridade monetária, as altas de preços no setor de serviços são "um reflexo do aquecimento da economia".

O presidente do BC defendeu o uso das medidas macroprudenciais argumentando que elas têm efeito sobre a demanda agregada. Segundo ele, as medidas que vêm sendo tomadas tem por objetivo desacelerar o crescimento do crédito e não contrair o crédito.

Câmbio

Tombini lembrou que, além da inflação, o outro grande desafio do BC é lidar com os intensos fluxos de capitais estrangeiros que têm contribuído para a valorização do real. Como já havia feito o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que falou antes, Tombini usou os dados acumulados de abril para mostrar que as medidas do governo para conter a entrada de dólares têm funcionado.

Antes, Mantega havia criticado a "política monetária frouxa" dos países desenvolvidos que tiveram de abrir mão de uma série de medidas de controle para enfrentar os efeitos da crise financeira. Essa falta de rigor é apontada como uma das causas do excesso de liquidez no mercado financeiro, o que promove que grande volume de recursos se desloquem a países emergentes como o Brasil.

Até o dia 20 de abril, o país registra um saldo positivo de US$ 133 milhões no mês, enquanto no primeiro trimestre o superávit foi superior a US$ 35 bilhões.

Com informações da Agência Brasil e da Reuters

 

registrado em: , , ,