Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2010 / 01 / Aumento da renda do trabalhador contribui para queda da inadimplência

Aumento da renda do trabalhador contribui para queda da inadimplência

por Stênio Ribeiro publicado 06/01/2010 16h31, última modificação 06/01/2010 16h32

Brasília - Com mais dinheiro no bolso, em função do aumento da renda salarial e do pagamento do décimo terceiro salário, o brasileiro aproveitou para quitar suas dívidas, no mês passado, antes de ir às compras de final de ano. Com isso a inadimplência caiu 4,98% em relação a novembro, como informou hoje o presidente do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), Roberto Alfeu Pena Gomes.

Ele disse que a recuperação econômica do país, com a criação de empregos e as contratações temporárias de final de ano, “teve influência direta para o cenário positivo que vivemos”, uma vez que os recursos daí decorrentes abasteceram grande parte das famílias e elas puderam honrar seus compromissos financeiros.

Alfeu acrescentou que a inadimplência foi 3,02% menor em relação a dezembro de 2008, no auge da crise financeira internacional. Com a recuperação gradativa da economia, principalmente de maio em diante, o SPC Brasil (maior banco de dados da América Latina) registrou queda acumulada de 14,09% da inadimplência em 2009.

De acordo com levantamento de mercado, feito em parceria com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), a tendência é de expansão cada vez mais robusta do consumo interno. Isso, somado à evolução do crédito, desemboca em um cenário positivo para que “a inadimplência tenha queda significativa também ao longo deste ano”, afirmou o presidente do SPC Brasil.

“A expectativa para o crescimento do país é das mais positivas”, segundo Alfeu. Ele acredita que o Brasil terá o terceiro maior crescimento do mundo em 2010. Pelos cálculos do Indicador CNDL/SPC Brasil de Vendas e Inadimplência, o Produto Interno Bruto (PIB), soma das riquezas produzidas no país, deve crescer 6,1%, enquanto as previsões para China e Índia são de 9,4% e 8,6%, respectivamente.

Esse cenário positivo, segundo Alfeu, será resultante do crescimento da demanda interna, proveniente da expansão do crédito, do aumento dos salários acima da taxa de inflação, dos investimentos em infraestrutura para as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e para a Copa do Mundo de Futebol de 2014. Além disso, também se espera o aumento do poder de compra das classes sociais menos favorecidas.

Fonte: Agência Brasil

 

registrado em: ,