Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2009 / 12 / Economista diz que aumento do mínimo é sempre positivo

Economista diz que aumento do mínimo é sempre positivo

por Daniel Lima publicado 23/12/2009 14h30, última modificação 23/12/2009 14h33

Brasília - O efeito do aumento do salário mínimo é sempre positivo na economia, porque aumenta o poder de compra das famílias mais pobres. A opinião é do presidente do Conselho Regional de Economia do Distrito Federal,  José Luiz Pagnussat.

Ele lembrou que a elevação do mínimo de R$ 465 para R$ 510 significa que um grupo de trabalhadores passará a comprar mais e, comprando mais, a demanda aumentará, provocando o aumento da produção e consequentemente as vagas no mercado do trabalho.

Segundo Pagnussat, o efeito será imediato na economia pois, diante da crise, aumentar a renda das famílias mais pobres, com transferência de renda e com o salário mínimo é melhor do que outro tipo de gasto, até mesmo de investimentos.

“Quando você está em crescimento normal da economia, próximo do que seria a capacidade máxima de produção do país, é importante que o gasto seja na forma de investimento e não em transferência de renda ou de aumento do salário mínimo”, disse.

Pagnussat concorda que o outro lado da história é que, quem paga salário mínimo ou tem boa parcela dos seus empregados vinculados á variação do salário mínimo, como as prefeituras, terá mais dificuldade.

“A Previdência [o setor que tem] o maior impacto. Mas a solução é o governo buscar recursos para cobrir o deficit como se tem feito na última década e meia com certa eficiência”, afirmou.

Ele indica que o mínimo não é o problema já que, ao se se observar o deficit do setor, apesar do aumento real do salário mínimo que ocorreu nos últimos anos, há uma relativa estabilidade.

“Então, é verdade vai aumentar o déficit na previdência, mas o efeito na economia é bastante positivo”.

Segundo o Departamento Instersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), estima-se que 46,1 milhões de pessoas têm rendimento referenciado no salário mínimo. Com a mudança de R$ 465 para R$ 510, o incremento na economia será de R$ 26,6 bilhões. Para a arrecadação de impostos, a elevação será de R$ 7,7 sobre o consumo.

Os dados do Dieese também mostram que no setor público, o número de trabalhadores que ganha até um salário mínimo é pequeno em nível federal e estadual, mas nos municípios a participação é expressiva, principalmente no Nordeste.

No relatório, o Dieese informa que o peso relativo da massa de benefícios equivalentes a 1 salário mínimo é de 46,22% e envolve 69,0% do total de beneficiários.

"O impacto de um aumento de R$ 1,00 no salário mínimo sobre a folha de benefícios da Previdência pode ser estimado em R$ 241,1 milhões ao ano. Assim, o impacto do aumento para R$ 510,00 (variação de R$ 45,00) significará custo adicional ao ano de cerca de R$ 10,85 bilhões", informa o documento. 

Fonte: Agência Brasil