Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2009 / 10 / Santander levanta R$14,1 bi em IPO recorde no Brasil

Santander levanta R$14,1 bi em IPO recorde no Brasil

por Aluísio Alves publicado 07/10/2009 14h28, última modificação 07/10/2009 14h28 © Thomson Reuters 2009. All rights reserved

(Foto: Natalie Behring/Reuters)

SÃO PAULO (Reuters) - O preço por unit do Santander Brasil na oferta pública primária do banco foi definido em R$ 23,50 , no centro da faixa de estimativas de R$ 22 a R$ 25 por papel.

De acordo com informações disponíveis no site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a operação movimentou R$ 14,1 bilhões, para um total de 600 milhões de units. Confirmando as expectativas do mercado, trata-se da maior oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) da história da Bovespa.

A maior operação de estreia no mercado acionário brasileiro até então tinha sido a da VisaNet, de R$ 8,4 bilhões, no final de junho.

O banco espanhol Santander anunciou em meados de setembro os detalhes da planejada oferta de ações de sua unidade brasileira.

O lote inicial da oferta envolve 525 milhões de units, cada uma representando 55 ações ordinárias e 50 ações preferenciais. A operação contemplava também a possibilidade de um lote suplementar de até 75 milhões de units e outro adicional de 25 milhões de units, em caso de excesso de demanda.

Os papéis do Santander Brasil começarão a ser negociados em São Paulo e Nova York nesta quarta-feira, dia 7. Segundo a BM&FBovespa, às 10h30 ocorrerá o leilão de abertura de negociação da units, que serão negociadas sob o código SANB11.

A coordenação da operação é feita pela própria unidade brasileira do Santander, com apoio de Credit Suisse, Merrill Lynch e BTG Pactual.

A primeira grande aposta do Santander no mercado brasileiro aconteceu com a compra do banco paulista Banespa, quando de sua privatização no final de 2000. Em 2007, o banco adquiriu o ABN Amro Real, ampliando sua posição no país.

Nos seis meses encerrados em junho, a unidade brasileira do banco espanhol representou mais de 20% do lucro líquido do grupo e 53% do ganho na América Latina.

Fonte: Reuters