Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2009 / 10 / GVT prevê investir mais em 2010 e entrar em cinco novas cidades

GVT prevê investir mais em 2010 e entrar em cinco novas cidades

por Cesar Bianconi publicado 22/10/2009 15h37, última modificação 22/10/2009 15h41 © Thomson Reuters 2009. All rights reserved

São Paulo - A operadora de telecomunicações GVT, alvo de aquisição por Telefónica e Vivendi, pretende ampliar os investimentos em 2010 para entre R$ 830 milhões e R$ 850 milhões , com forte aposta nos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

No acumulado de janeiro a setembro deste ano, a GVT investiu pouco menos de R$ 500 milhões, de acordo com o balanço referente ao terceiro trimestre divulgado na noite de quarta-feira. A empresa deve encerrar 2009 com desembolso de pouco mais de 600 milhões de reais.

"Nossa intenção é acelerar ainda mais nossa expansão no próximo ano na direção dos dois principais Estados brasileiros, São Paulo e Rio de Janeiro", afirmou o vice-presidente financeiro da GVT, Rodrigo Ciparrone, em teleconferência nesta quinta-feira com analistas e jornalistas.

"Planejamos iniciar operações em cinco novas cidades-chave em 2010, contra somente duas em 2009. A população total nessas cinco cidades é de aproximadamente 12 milhões de habitantes."

Além do Sudeste, outra região foco da GVT para expansão no próximo ano será o Nordeste, segundo o vice-presidente de negócios no varejo da empresa, Alcides Troller. A GVT oferece serviços de telecomunicações em mais de 80 cidades, a maioria delas no Sul do país, região em que a companhia nasceu.

Em setembro, os acionistas no bloco de controle da GVT concordaram em vender sua participação na empresa para a Vivendi por R$ 42  por ação. O grupo francês se dispôs a comprar 100% da companhia brasileira, mas não chegou a fazer uma oferta formal de aquisição.

No começo de outubro, contudo, a Telesp, unidade da espanhola Telefónica no Brasil, lançou uma oferta não-solicitada pela GVT de R$ 48  por ação, 14,3% superior ao valor proposto pela Vivendi.

O vice-presidente financeiro da GVT evitou falar sobre possíveis mudanças no plano de expansão caso a companhia tenha um novo controlador e afirmou que a empresa pretende financiar a maior parte do investimento de 2010 com geração própria de caixa.

"Precisamos ter a transação concluída com a parte que eventualmente compre o controle da GVT para conversarmos sobre o curso a ser definido", disse Ciparrone, evitando falar mais sobre o assunto.

A GVT teve lucro líquido de R$ 57,2 milhões  no terceiro trimestre, revertendo prejuízo de R$ 14,8 milhões  em igual intervalo de 2008.

A receita líquida foi de R$ 442,4 milhõesnos três meses encerrados em setembro, ante 347,4 milhões de reais um ano antes, com forte aumento da base de clientes.

Segundo o vice-presidente Troller, a GVT pretende seguir concentrada na busca de clientes nas faixas de renda A, B e C.

As ações da GVT mostravam ganho de 0,65%, para R$ 49,82  às 14h40. No mesmo horário, o Ibovespa subia 0,66%.

Fonte: Reuters