Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2009 / 10 / Depósitos em poupança superam retiradas pelo quinto mês consecutivo

Depósitos em poupança superam retiradas pelo quinto mês consecutivo

por Kelly Oliveira publicado 06/10/2009 11h43, última modificação 06/10/2009 11h43

Brasília - Os depósitos em caderneta de poupança foram maiores do que as retiradas em R$ 3,510 bilhões em setembro deste ano, segundo dados do Banco Central (BC) divulgados nesta terça-feira (6). Esse foi o quinto mês consecutivo de resultado positivo da caderneta de poupança. Em setembro de 2008, a captação líquida, ou seja, os depósitos maiores do que as retiradas, foi de R$ 1,461 bilhão.

De acordo com o BC, no mês passado, os depósitos somaram R$ 84,860 bilhões e os saques, R$ 81,350 bilhões. Em agosto deste ano, os depósitos superaram as retiradas em R$ 3,098 bilhões.

O relatório do Banco Central se baseia em dados do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), que destina recursos ao setor imobiliário e da poupança rural.

A maior captação é do SBPE, no total de R$ 3,495 bilhões, com depósitos no total de R$ 73,295 bilhões e retiradas de R$ 69,799 bilhões. A captação líquida da poupança rural foi de R$ 14,886 milhões, resultado da diferença entre depósitos de R$ 11,565 bilhões e saques de R$ 11,550 bilhões.

A caderneta de poupança é remunerada pela Taxa Referencial (TR) mais 0,5% ao mês e não cobra taxa de administração.

No dia 13 de maio deste ano, o governo anunciou a proposta, que ainda não está em vigor, de cobrar Imposto de Renda das aplicações em poupança. Entretanto, o texto ainda não foi enviado ao Congresso. Pela proposta do governo, a alíquota do Imposto de Renda sobre as aplicações em cadernetas de poupança será de 22,5%.

Pela regra proposta, será descontado Imposto de Renda do rendimento de poupança que exceder R$ 50 mil. De acordo com o governo, atualmente apenas 1% dos poupadores aplica mais do que R$ 50 mil na caderneta.

A ideia é evitar a migração de grandes investidores para a poupança, atraídos pelas condições mais rentáveis, toda vez que a Selic cair.

Fonte: Agência Brasil

 

registrado em: