Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2009 / 07 / Lupi está confiante na geração de 1 milhão de empregos até o fim do ano

Lupi está confiante na geração de 1 milhão de empregos até o fim do ano

Expectativa do ministro do Trabalho é baseada no aquecimento do mercado interno e na retomada da economia mundial
por Isabela Vieira publicado 20/07/2009 17h41, última modificação 20/07/2009 17h42
Expectativa do ministro do Trabalho é baseada no aquecimento do mercado interno e na retomada da economia mundial

Rio de Janeiro - O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, voltou a afirmar nesta segunda-feira (20) que o país deve fechar o ano com 1 milhão de novos postos de trabalho, influenciado pelo aquecimento do mercado interno e pela retomada da economia mundial.

“A indústria vai reagir, toda a cadeia produtiva está aquecida, os estoque baixaram. O mercado internacional começa a se recuperar, a China voltou a comprar, os Estados Unidos também. Isso me faz acreditar na previsão de 1 milhão de empregos”, disse Lupi, depois de participar do 1° Fórum Estadual da Aprendizagem no Rio.

De acordo com o ministro, embora os dados do emprego, em 2009, estejam abaixo dos registros do ano passado, o mercado de trabalho dá sinais de retomada, com crescimento positivo, de mais de 100 mil postos, por mais de três meses consecutivos.

“É claro que o primeiro semestre foi aquém do que esperávamos em comparação com o mesmo período de 2008. Só que no ano passado não tinha crise. Hoje, apesar da crise, o Brasil gerou 300 mil postos”, completou.

Segundo os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado na semana passada, o país criou 300 mil novos empregos, no primeiro semestre do ano. No mesmo período do ano passado, foram 1,3 milhão de postos.

Mesmo assim, de acordo com o ministro do Trabalho, o Brasil é o único membro do G20 (grupo dos países desenvolvidos e emergentes) com taxas positivas para o emprego, o que demonstra um bom desempenho do país diante da crise. Com isso, Lupi estima que o país registre um crescimento de 2% este ano.


Fonte: Agência Brasil

registrado em: ,