Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2009 / 07 / Índice que mede comportamento da economia tem queda de 0,32% em junho

Índice que mede comportamento da economia tem queda de 0,32% em junho

IGP-DI, que afere comportamento de preços em geral, havia subido 0,18% em maio; ante junho de 2008 houve alta de 0,76%
por Thais Leitão publicado 07/07/2009 11h09, última modificação 07/07/2009 11h10
IGP-DI, que afere comportamento de preços em geral, havia subido 0,18% em maio; ante junho de 2008 houve alta de 0,76%

Rio de Janeiro - O Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) fechou junho em queda 0,32%, depois de ter registrado alta de 0,18% em maio. Dados divulgados nesta terça-feira (7) pela Fundação Getulio Vargas (FGV) mostram que, no ano, o indicador acumula queda de 1,04%. Nos 12 meses encerrados em junho, o IGP-DI teve alta acumulada de 0,76%. O índice foi criado para medir o comportamento de preços em geral da economia brasileira.

Entre os componentes do indicador, o Índice de Preços por Atacado (IPA), que responde por 60% da formação da taxa global, acentuou a queda verificada no último levantamento, passando de –0,10% em maio para –0,64% em junho.

Os preços dos produtos agropecuários aumentaram 0,34%, depois de terem subido 0,58% um mês antes. Os preços dos produtos industriais caíram 0,97%, três vezes mais do que em abril (-0,32%).

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que contribui com 30% na formação geral do IGP-DI, subiu 0,12%, três vezes menos do que um mês antes (0,39%). Cinco das sete classes de despesa apresentaram decréscimos em suas taxas.

As maiores contribuições para o ritmo menos intenso de alta partiram dos grupos habitação (de 0,76% para 0,12%), com destaque para tarifa de eletricidade residencial (de 2,06% para –1,55%) e taxa de água e esgoto residencial (que se manteve estável em 2,75%); e despesas diversas (de 4,04% para 0,31%), principalmente cigarro (12,11% para 0,24%).

Também tiveram altas menos intensas ou registraram queda os grupos saúde e cuidados pessoais (0,61% para 0,27%), vestuário (de 0,52% para 0,43%) e educação, leitura e recreação (de 0,00% para -0,04%).

Registraram acréscimos em suas taxas os grupos alimentação (de -0,30% para 0,12%), principalmente frutas (de -8,34% para -3,10%), laticínios (de 4,50% para 6,17%) e aves e ovos (-1,97% para 2,97%); e transportes (de –0,19% para –0,14%), com destaque para gasolina (de -0,49% para 0,08%).

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), que contribui com apenas 10% na formação do IGP-DI, fechou o mês de junho com alta de 0,7%, menor do que a observada em maio (1,39%).

Dois dos três grupos apresentaram decréscimos em suas taxas de variação: serviços (de 0,81% para 0,15%) e mão-de-obra (de 3,49% para 1,51%). Já a taxa do grupo materiais e equipamentos passou de -0,71% para -0,06%.

O IGP-DI faz parte de uma cesta de índices aplicados para reajustes de tarifas públicas, contratos de aluguel e planos de seguros de saúde de contratos antigos. Durante muitos anos, o índice foi usado como base de reajustes de tarifas telefônicas. Para o cálculo da taxa, os preços foram coletados entre os dias 1º e 30 de junho.


Fonte: Agência Brasil 

registrado em: , ,