Home Política ‘Não tem desculpas, Eduardo Bolsonaro tem que ser cassado’, diz jurista pela democracia
recorrente

‘Não tem desculpas, Eduardo Bolsonaro tem que ser cassado’, diz jurista pela democracia

Marcelo Uchôa, que também é professor, criticou ainda o silêncio do presidente do STF: 'Precisa aprender com a história'
Publicado por Tiago Pereira, da RBA
10:38
Compartilhar:   
Najara Araújo/Câmara dos Deputados

"Que tipo de deputado é esse que não acredita na democracia?", questiona o advogado Marcelo Uchôa

São Paulo – Para o advogado Marcelo Uchôa, professor de Direito na Universidade de Fortaleza (Unifor) e integrante da Associação de Juristas pela Democracia (AJD), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) abusa da imunidade parlamentar e deve ser cassado por ter defendido “uma reedição do AI-5” para, segundo o parlamentar, “dar uma resposta à radicalização da esquerda”. O parlamentar deu a declaração ontem (31), quando era entrevistado pela jornalista Leda Nagle e teve ampla repercussão negativa. Horas depois, ele pediu desculpas, afirmando que o governo não estuda essa possibilidade, mas, ainda assim, atribuiu as reações a uma “interpretação deturpada da sua declaração”.

“É claro que é grave, ainda mais vindo de um deputado que jurou a Constituição, se comprometendo a exercer o mandato com lealdade aos pressupostos do Estado democrático de direito. Não tem pedido de desculpas. Errar é humano, mas o problema é que não é a primeira vez”, disse Uchôa aos jornalistas Marilu Cabañas e Glauco Faria, para o Jornal Brasil Atual, nesta sexta-feira (1º). O filho “zero três” do presidente Jair Bolsonaro declarou, em outubro de 2018, que bastariam “um soldado e um cabo” para fechar o STF e, ainda nesta semana, ao afirmar que o governo de seu pai será rigoroso contra eventuais protestos populares similares aos que atualmente ocorrem no Chile, disse que a história “vai se repetir”.

Editado em 13 de dezembro de 1968, pelo presidente militar Artur da Costa e Silva, o Ato Institucional 5, que marca o início da fase mais sombria da ditadura civil-militar (1964-1985), resultou no fechamento do Congresso, na cassação de mandatos de parlamentares, suspensão das liberdades individuais e censura aos meios de comunicação e às artes. “Que tipo de deputado é esse que não acredita na democracia como um regime capaz de superar divergências e resolver problemas?”, questiona o professor.

Segundo Uchôa, a imunidade serve para garantir a liberdade de atuação do parlamentar durante o seu mandato, mas não pode ser utilizada inadvertidamente. Ele destacou que a Câmara já deveria ter agido em outros episódios, por exemplo, o então deputado Jair Bolsonaro homenageou o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-chefe do Destacamento de Operações de Informação-Centro de Operações de Defesa Interna  (DOI-Codi), na sessão que autorizou a abertura do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, em 2016.

O integrante da AJD também cobrou ação da Suprema Corte. “O STF precisa aprender com a história. Foi desse jeito que lá atrás alguém editou o AI-5, aposentando ministros compulsoriamente inclusive”. O ministro Marco Aurélio Mello classificou a fala do filho de Bolsonaro como “tentativa de esgarçamento da democracia”, mas não houve declaração do ministro Dias Toffoli, presidente da Corte. Na semana passada, o Tribunal foi retratado como uma das hienas que atacam o leão que representa o governo Bolsonaro, publicado no Twitter do próprio presidente.

Ouça a entrevista completa