Home Economia Com taxa de desemprego estável, mercado de trabalho se firma na precariedade
Lá embaixo

Com taxa de desemprego estável, mercado de trabalho se firma na precariedade

Emprego sem carteira e trabalho autônomo bateram novo recorde. Somados, superam o número de empregados formais. Rendimento não avança
Publicado por Vitor Nuzzi, da RBA
10:18
Compartilhar:   
TÂNIA REGO/AGÊNCIA BRASIL

Informalidade se consolida no Brasil, segundo dados da PNAD Contínua

São Paulo –A taxa de desemprego praticamente não se alterou no trimestre encerrado em setembro, atingindo 11,8%, ante 12% em junho e 11,9% há um ano. E estacionou em um cenário de precariedade: o país cria vagas, mas na maior parte sem carteira e de trabalho autônomo, modalidades que atingem novo recorde e superam o emprego formal. O rendimento também não avança, segundo mostram os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada na manhã desta quinta-feira (31) pelo IBGE. A menor taxa para setembro foi registrada em 2014 (6,8%).

O total de desempregados foi estimado em 12,515 milhões, 215 mil a menos em relação a junho (-2%) e 65 a mais em 12 meses (0,5%). São 93,801 milhões de ocupados, quase 1,5 milhão a mais no período de um ano. O número é positivo, mas o emprego com carteira assinada quase não sai do lugar, com 166 mil a mais (0,5%). Já o emprego sem carteira cresce 3,4%, com 384 mil vagas a mais. O que aumenta de fato é o trabalho por conta própria: 4,3%, ou mais 1,015 milhão de pessoas nessa situação. Assim, quase todas as ocupações criadas são informais.

Segundo o IBGE, a pesquisa aponta 33,075 milhões de trabalhadores com carteira, com estabilidade em ambas as comparações. Já os sem carteira somam 11,838 milhões, número recorde. E os trabalhadores por conta própria são 24,434 milhões, também recorde da série histórica da Pnad.

A chamada taxa de subutilização recuou de 24,8% para 24%. Em relação a setembro do ano passado, fica estável (24,1%). São 27,5 milhões de pessoas que gostariam de estar trabalhando mais, queda de 3,4% no trimestre (redução de 952 mil). O desalento recuou 3,6% no trimestre e também ficou estável em 12 meses, com aproximadamente 4,7 milhões de pessoas que desistiram de procurar algum trabalho – 4,2% da mão de obra, ante 4,4% em junho e 4,3% há um ano.

Estimado em R$ 2.298, o rendimento médio foi considerado estável tanto na comparação trimestral como na anual. O mesmo acontece com a massa de rendimentos (R$ 210,4 bilhões).