Home -Destaques da home Advogado pró Moro queria censurar ‘The Intercept’. Ministro do STF não permitiu

Cala Jato

Advogado pró Moro queria censurar ‘The Intercept’. Ministro do STF não permitiu

Em pedido encaminhado ao STF, advogado não autorizado pelo ministro pedia bloqueio, busca e apreensão e proibição de divulgar notícias
Publicado por Vitor Nuzzi, da RBA
18:28
Compartilhar:   
José Cruz/Agência Brasil

Pedido de advogado não autorizado por Moro buscava bloquear site e proibir divulgação de notícias sobre vazamentos envolvendo ex-juiz, o procurador Deltan Dallagnol (ao fundo, à direita na foto) e outros integrantes do Judiciário

São Paulo – O ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou habeas corpus impetrado por um advogado em favor do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, que pedia bloqueio do site The Intercept. Em seu despacho, ele lembrou que a imposição de bloqueio de sites jornalísticos e a interdição de veiculação de notícias são medidas vedadas pela Constituição. Na sua fundamentação, o ministro afirmou que os HCs têm outra destinação constitucional: assegurar o direito de ir e vir.

O advogado Arnaldo Saldanha Pires – que tem registro na seção paraense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e não foi constituído por Moro – não queria apenas bloquear o Intercept. Ao Supremo, pediu ainda que fossem determinadas busca e apreensão do material veiculado no site, abertura de inquérito pela Polícia Federal para investigar participação e conluio dos jornalistas com responsáveis por “gravações criminosas” e proibição de reprodução das notícias apuradas. Veículos que reproduzissem as informações deveriam ser multados. E o material já divulgado deveria ser excluído do Google. Em resumo, apagar notícias já publicadas e por publicar.

Celso de Mello observou que o habeas corpus visa a assegurar a imediata liberdade de locomoção física das pessoas. “É estranha à sua específica finalidade jurídico-constitucional qualquer pretensão que vise a desconstituir atos que não se mostrem ofensivos, ainda que potencialmente, ao direito de ir, de vir e de permanecer”, afirmou na decisão, relativa ao HC 173.519 – confira aqui a íntegra da decisão.

O HC é um instrumento “poderoso” contra uma situação de constrangimento ilegal, acrescentou o decano, mas não pode substituir outras ações. E lembrou que a ação foi ajuizada por um advogado não autorizado, acrescentando que a jurisprudência do STF, conforme seu regimento interno, não admite esse tipo de pedido.

“É uma benção tão bela ter inimigos burros”, ironizou o jornalista Glenn Greenwald, do Intercept, em rede social. O site tem publicado reportagens que denunciam atuação do procurador Deltan Dallagnol, do então juiz Sergio Moro e outros integrantes do Judiciário durante a Operação Lava Jato – as denúncias passaram a ser chamadas de “Vaza Jato”.