Home Política Gleisi: semiaberto é golpe de Dallagnol. “Lula tem direito à liberdade”
Lula livre

Gleisi: semiaberto é golpe de Dallagnol. “Lula tem direito à liberdade”

"O STF deve julgar suspeição de Moro e anular o processo soltando Lula imediatamente, sem regime de prisão", afirma presidenta do PT. Defesa se reúne com Lula na segunda
Publicado por Paulo Donizetti de Souza, da RBA
20:01
Compartilhar:   
Agência Senado

Defesa refirma que Lula foi condenado em "processo ilegítimo e corrompido por flagrantes nulidades"

São Paulo – A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), criticou a decisão da equipe da Operação Lava Jato de pedir à Justiça mudar do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para prisão em regime semiaberto de prisão. “Lula tem direito à liberdade plena, seu processo foi viciado, fraudado, c/ foco político, conforme revelações da #VazaJato. O STF deve julgar suspeição de Moro e anular o processo soltando Lula imediatamente, sem regime de prisão. Isso é golpe do Dallagnol“, afirma Gleisi, em rede social.

Os procuradores Deltan Dallagnol, Roberto Pozzobon e Laura Tessler assinaram o pedido, feito nesta sexta-feira (27), em meio à grande repercussão da importante derrota sofrida pela Lava Jato ontem (26) no Supremo Tribunal Federal. Segundo informa a jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, existe possibilidade de que Lula, caso aceite a progressão de regime, cumpra a pena em casa.

A defesa do ex-presidente reiterou que Lula deve ter sua “liberdade plena restabelecida porque não praticou qualquer crime e foi condenado por meio de um processo ilegítimo e corrompido por flagrantes nulidades”. Em nota, o advogado Cristiano Zanin Martins anunciou para segunda-feira (30) uma reunião com Lula, e que será dele a decisão sobre o assunto.

De acordo com os procuradores, “o cumprimento da pena privativa de liberdade tem como pressuposto a sua execução de forma progressiva”. Lula já teria cumprido um sexto dela, e portanto já poderia cumprir a condenação em regime semiaberto.


Leia também
Lula não quer ir para o semiaberto
STF tem maioria para anular decisões da Lava Jato
Dez pontos para entender a gravidade do conluio Moro-Dallagnol
Embaixador do golpe, agora Aloysio Nunes admite a manipulação do impeachment