Home -Destaques da home Cultivo de maconha para fins medicinais será colocado em consulta pública pela Anvisa
USO TERAPÊUTICO

Cultivo de maconha para fins medicinais será colocado em consulta pública pela Anvisa

Agência quer opinião da sociedade e entidades sobre critérios para o cultivo e o registro de medicamentos derivados da planta
Publicado por Cida de Oliveira, da RBA
19:20
Compartilhar:   
Arquivo/Senado

Princípios ativos da planta têm efeito comprovado em casos graves de epilepsia

São Paulo – A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu hoje (11) realizar consultas públicas para regulamentação do cultivo controlado de Cannabis sativa, destinada à produção de medicamentos e para o registro de medicamentos produzidos com princípios ativos da planta. Poderão participar empresas, universidades, órgãos governamentais e de defesa do consumidor, profissionais de saúde e a população em geral.

A decisão foi tomada em reunião da diretoria colegiada aberta. Participaram representantes de laboratórios interessados na liberação de registro para esses medicamentos, entidades e especialistas. Entre eles, o pesquisador Elisaldo Carlini, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), maior pesquisador brasileiro das aplicações terapêuticas dos princípios ativos da maconha.

Serão ouvidas opiniões sobre requisitos técnicos e administrativos a serem estabelecidos para o cultivo da planta por empresas farmacêuticas, única e exclusivamente para fins medicinais e científicos. E para procedimentos para o registro e monitoramento de medicamentos produzidos, seus derivados e análogos sintéticos.

Doenças graves

As regras preveem o monitoramento e a rastreabilidade dos medicamentos, desde o produtor, passando pelo transportador e drogarias, até o paciente. Portanto, a regulação será rigorosa quanto à cadeia de produção, distribuição e consumo dos medicamentos produzidos.

A Anvisa destaca que as normas serão aplicáveis apenas a medicamentos para doenças debilitantes graves ou que ameacem a vida e sem alternativa terapêutica. E que é necessário criar condições para que o país produza medicamentos à base de Cannabis seguros, eficazes e acessíveis à população. Atualmente, muitas famílias só conseguem importar o medicamento ou mesmo cultivar a planta com autorização judicial.

Quimioterapia

Os princípios ativos têm efeitos benéficos em casos graves de epilepsia, na melhora de náuseas e vômitos, estimulação do apetite entre pacientes que usam tratamentos quimioterápicos e em doentes com Aids.  Estudos apontam também efeitos analgésicos e bons resultados  na diminuição da pressão intra-ocular em casos de glaucoma, uma alteração que pode levar a danos no nervo óptico e por consequência à cegueira além de efeitos analgésicos.

As propostas que ficarão sob consulta pública são embasadas em estudos e evidências científicas. Entre elas, os resultados positivos de medicamentos derivados da planta.

O processo regulatório para estabelecer regras claras e transparentes para critérios técnicos para o cultivo controlado e monitorado de Cannabis começou em 2017, com a criação de um grupo técnico. Polêmico, o tema é prioritário na agência.

Assista vídeo da reunião deliberou as consultas públicas: