Home Política Em Curitiba, Vagner Freitas diz que Lula confia na força da greve geral do dia 14
Solidariedade

Em Curitiba, Vagner Freitas diz que Lula confia na força da greve geral do dia 14

Presidente da CUT visitou ex-presidente com líder sindical dos EUA Stanley Gacek, segundo o qual condenações de Lula são "perversão da Justiça"
Publicado por Eduardo Maretti, da RBA
17:30
Compartilhar:   
Joka Madruga

Vagner Freitas e Stanley Gacek: dia de visita e manifestações pela educação em todo o país

São Paulo – Em visita ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na prisão, em Curitiba, o presidente da CUT, Vagner Freitas, afirmou que “ele continua absolutamente não aceitando a condição injusta de preso político”. Freitas esteve com Lula na companhia do sindicalista Stanley Gacek, dirigente da Federação Norte-Americana dos Comerciários e dos Trabalhadores da Indústria Alimentícia (UFCW, na sigla em inglês).

“Lamentavelmente é a terceira vez que venho aqui, espero que seja a última e que ele seja libertado”, disse Vagner. O dirigente da CUT afirmou que fez um relato das manifestações que correm por todo o país em defesa da educação. “Elas foram muito grandes, capitaneadas pelo povo da educação,  pelos estudantes, pelos trabalhadores, e estamos rumo à greve geral muito forte dia 14″. Freitas acrescentou que Lula confia e tem muita expectativa de que a greve “venha para barrar a reforma da  Previdência”. “Esse governo foi eleito pelos banqueiros para entregar a Previdência, entregar a economia brasileira na mão da economia internacional.”

A greve do dia 14, continuou, está sendo construída “todos os dias pelo movimento social, movimento estudantil e sindicatos”. Segundo ele, “Lula Livre é uma bandeira importante na construção da greve”. “Ele tem que estar livre, primeiro, porque é inocente. Mas, mais do que isso, porque é o principal instrumento de luta que temos no enfrentamento contra os patrões. Por isso está sendo mantido aqui.”

O sindicalista dos Estados Unidos declarou aos jornalistas que fez a visita “para trazer a solidariedade” da sua organização, que representa 1,3 milhão de trabalhadores. “E também emitir uma mensagem de solidariedade do movimento sindical internacional e federações sindicais globais. Ficou evidente que temos que continuar a campanha de Lula Livre incansavelmente, e também incluir a mensagem de que Lula é inocente. Essas sentenças (que condenaram Lula) são perversões de qualquer norma da Justiça internacional. Espero que seja a última visita”, afirmou Gacek. “Temos que mudar a narrativa internacional e demonstrar que há as provas de que ele é inocente.”

Na segunda data de grandes manifestações pela educação brasileira, atacada pelo governo Bolsonaro, Vagner Freitas acrescentou que “a burguesia brasileira mantém o Lula preso porque sabe que ele, solto, será eleito presidente da Republica”. Disse ainda que o ex-presidente mandou a mensagem de que a sociedade e a militância podem contar com ele, que “vai lutar a vida toda para provar a inocência, sair daqui e lutar para que o povo brasileiro seja libertado desse governo que está aí tirando direitos”.

O presidente da CUT mencionou a Lava Jato para dizer que a operação “acabou com a economia brasileira”. “Lula acredita que a gente possa fazer o enfrentamento. Mandou uma mensagem de esperança e indignação. Não é fácil ficar um ano e dois meses preso e manter essa lucidez, de não aceitar a condição de preso político.”