África

Em Lesoto, artistas dão vida a formas de resistência cultural

Documentário mostra as expressões artísticas e de identidade que emergem no território africano, assolado pela pobreza

Pixabay
Crianças de Lesoto: 33% delas são órfãs ou vulneráveis

São Paulo – A pobreza absoluta e os problemas que decorrem dessa situação assolam Lesoto, uma monarquia parlamentarista, com seu território totalmente cercado pela África do Sul. A instabilidade política e econômica elevaram o desemprego a 27,2%, uma das maiores taxas do continente africano. Além disso, 55,4% da população vive em pobreza absoluta; 24% dos adultos têm HIV, a segunda maior taxa do mundo; e 33% das crianças são órfãs, ou vulneráveis.

No contexto em que a sobrevivência é um desafio para a maioria de seus dois milhões de habitantes, as expressões de resistência cultural brotam em defesa da identidade e dignidade de um povo. É o que mostra o documentário De lixo a tesouro, transformando negativos em positivos (em tradução livre de: From trash to treasure, transforming negatives into positives), da diretora brasileira de ascendência coreana Iara Lee.

(almapreta.com/reprodução)

No documentário, lançado no YouTube, cineastas de Lesoto mostram a necessidade de acabar com o casamento infantil e músicos escrevem canções sobre mudanças climáticas. Também são mostrados agricultores que coletam sementes para proteger espécies de árvores ameaçadas de extinção. E designers que usam a roupa para preservar a cultura tradicional da etnia Basotho e desafiar as percepções comuns da África.

Ressurreição

“Este filme é sobre pessoas que dominaram o talento para a ressurreição. Sinto-me inspirada pela tremenda desenvoltura das comunidades de base neste pequeno país, sua criatividade e seu desejo de transformar coisas negativas em positivas ”, diz a diretora Iara Lee.

Um dos personagens do filme é um artista chamado Nthabiseng TeReo Mohanela. Ele pega materiais descartados e os transforma em roupas e acessórios exclusivos. Ensinando aos jovens os benefícios da reciclagem e recriação, ela chama seu projeto de “Do Lixo ao Tesouro”.

Com o trabalho de TeReo como ponto de partida, este curta-metragem mostra um espírito mais amplo de reimaginação entre os artistas do Lesoto, que usam a criatividade para responder a problemas sociais enraizados.

Ajuda aos artistas

Depois de filmar no Lesoto, a diretora Iara Lee criou um prêmio para retribuir às pessoas e organizações apresentadas no documentário. Os prêmios, no valor de mil dólares cada, incentivam os contemplados a continuar realizando seus trabalhos e a retribuí-los à sociedade.

Iara Lee é uma cineasta que está sempre em busca de temas inusitados e de resistência cultural. Ela, que trabalhou na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo nos anos 1980, atualmente vive em Nova York. É dela também o documentário K2 e os criados invisíveis (em tradução livre de K2 and the invisible footmen). A obra mostra a luta pela sobrevivência de paquistaneses abaixo da linha da pobreza, vivendo como carregadores para as pessoas que se aventuram na montanha, considerada a mais perigosa do mundo.

Assista ao documentário: