À luz

Parto humanizado compõe exposição da fotógrafa Lela Beltrão em São Paulo

Mostra de uma das fotógrafas mais importantes quando o assunto é trabalho de parto ficará em cartaz de 2 a 13 de março na Assembleia Legislativa de São Paulo

Lela Beltrão
Nascimento do Leo, parto da Flora. Pai Daniel e irmão Caio. Doula Maíra Duarte. Parteiras Letícia Ventura e Isabele Ruivo.

São Paulo – A fotografia de parto humanizado, especialidade da fotógrafa Lela Beltrão, entra em exposição em São Paulo. Seu recente trabalho, o livro Nascer, lançado pela editora Timo, deu origem à mostra fotográfica Nascer, composta de 20 imagens de parto humanizado. A mostra estará em cartaz na Assembleia Legislativa de São Paulo, a partir desta segunda-feira (2) e até 13 de março – mês dedicado à celebração da luta das mulheres e do protagonismo feminino.

Lela Beltrão dedica-se à fotografia de parto humanizado há seis anos, desde o nascimento de sua primeira filha. Já expôs no Salão de Arte Contemporânea, em Paris, em 2016, e lançou o livro Parto Humanizado: um olhar artístico sobre o poder feminino, com fotografias e relatos de parto.

A fotógrafa tornou-se um dos nomes mais importantes no Brasil quando o assunto é fotografia de trabalho de parto. Ao longo dos anos, foi reunindo imagens de mais de 50 nascimentos, sendo 10% cesárea. Dos partos normais, alguns foram naturais e outros com anestesia. Alguns domiciliares, outros hospitalares e em casa de parto.

Em comum, todos foram acompanhados por equipes de parto humanizado, no qual a mulher é a protagonista do seu processo e, portanto, respeitada. “O livro Nascer nasceu com essa intenção de mostrar a importância da mulher como principal personagem desse momento e as consequências positivas que um parto vivenciado com respeito podem ter na vida de um bebê e de toda a família”, explica a fotógrafa. A obra reúne mais de 200 imagens.

Para a exposição, Lela selecionou 20 fotos, coloridas e em preto e branco. “É muito importante trazermos essa temática nos dias de hoje, quando a cultura da cesárea é grande e, ao mesmo tempo, grande parte das mulheres sofre violência obstétrica. Infelizmente, muitas delas acabam sendo estimuladas a perderem a crença de sua própria potência”, diz.

Segundo dados da Fundação Perseu Abramo, 25% das mulheres sofrem violência obstétrica. Nos hospitais particulares a taxa de cesáreas é de 80%, sendo que a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda 15%.

“Queremos incentivar as mulheres a pesquisar, se informar e, assim, se empoderar do seu processo de parto. Toda mulher deveria ter autonomia para escolher o parto que quer para si e essa escolha consciente precisa ser respeitada”, explica Ana Basaglia, publisher da Editora Timo.

O livro

O livro Nascer reúne, além de imagens de mais de 50 trabalhos de parto, reflexões de profissionais que trabalham, apoiam e ajudam a amplificar o discurso de que a mulher deve ser protagonista de seus trabalho de parto. Está disponível para venda no site da editora Timo.



EXPOSIÇÃO NASCER, DA FOTÓGRAFA LELA BELTRÃO
Quando: 2 a 13 de março
Horário: 8h às 20h
Onde: Assembleia Legislativa de São Paulo (Av. Pedro Álvares Cabral, 201)
Entrada gratuita