Cinema em casa

Audiovisual na quarentena: dicas de obras para enfrentar o isolamento social

Dicas de filmes, curtas e documentários para o período de quarentena pelo coronavírus. Há opções gratuitas por tempo limitado

creative commons
Muitos estão em casa e assim devem ficar pelas próximas semanas. Cinemas estão fechados. Pensando nesta situação, a #RBA já elaborou esta lista

São Paulo – Os números da pandemia de covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, seguem em espiral de crescimento no Brasil e em diversas partes do mundo. O Ministério da Saúde já informou que o sistema de atendimento à saúde no Brasil pode entrar em colapso até o final de abril.

A única forma de reduzir a velocidade da epidemia é ficar em casa. Assim, a curva de contágio do vírus tende a ser menos radical, dando maior tempo para que a rede de saúde se adapte e trate com atenção o maior número de casos.

Diversos governos indicam fortemente o isolamento social e impõem medidas de restrição de circulação. Muitas pessoas estão no ambiente doméstico e assim devem ficar pelas próximas semanas. Pensando nesta situação, a #RBA elaborou uma lista de cursos e atividades para serem feitos em casa, do computador. Agora, esta nova lista traz algumas dicas do mundo do audiovisual. Séries e filmes que podem ajudar os leitores no enfrentamento deste momento delicado. Novamente, a reclusão é a única saída responsável neste momento.

Era pago, está de graça

Muitas plataformas de vídeo por streaming, pensando em minimizar os efeitos da quarentena, liberaram conteúdos na última semana. A seguir, algumas dicas para amantes do audiovisual.

Spcine Play

A plataforma foi criada como parte de uma série de medidas para estimular o potencial audiovisual da capital paulista e sempre com conteúdos gratuitos, mas outros dependiam de assinatura. Agora, está tudo liberado. E você não precisa ser de São Paulo para aproveitar um extenso catálogo.

Entre os destaques, 12 filmes que fizeram parte das últimas edições da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Confira a seleção:

A Gangue (2014), de Myroslav Slaboshpytsky: o longa ucraniano deixou o mundo boquiaberto no ano de sua estreia. Um internato para surdos e mudos explode em violência em meio a uma rede de crimes. O filme é todo em linguagem de sinais. Um verdadeiro “soco no estômago”.

Cães Errantes (2013), de Lee Kang-sheng: outra pérola do catálogo, esta obra taiwanesa mostra a história de pai e filho marginalizados na cidade de Taipei, capital da ilha. Uma montanha russa de emoções.

A Meia Noite Levarei sua Alma (1964), de José Mojica Marins: este verdadeiro clássico com o personagem Zé do Caixão não faz parte da série de filmes que rodaram a mostra. Entretanto, sua presença é um luxo da plataforma, que ainda conta com muitas outras produções nacionais, como os outros clássicos Carandiru (2003) e O Beijo da Mulher Aranha (1985), ambos de Hector Babenco.

TV a cabo

As plataformas de TV a cabo Claro; Vivo; Oi; Sky; e Net Now abriram canais fechados para assinantes de todos os pacotes. Todos eles possuem uma versão online. No catálogo, além de filmes, peças, concertos, programas de TV, documentários especiais, entre outros.

Curtas

Geralmente, os curtas-metragens acabam passando despercebidos no dia a dia das pessoas. O isolamento pode ser uma oportunidade para quem gosta de cinema entrar de cabeça neste universo com produções maravilhosas. A boa notícia é que muitas das obras estão disponíveis em plataformas, em especial no YouTube e no Vimeo. A seguir, uma seleção de curtas que concorreram ao Oscar 2020 (todas com link):

The Neighbors’ Window (2019), de Marshall Curry: A rotina de um casal que acaba descobrindo uma rede de traições.

Hair Love (2019), de Matthew A. Cherry: Produzido para ser uma campanha publicitária, a peça exalta a beleza e a diversidade. O curta ganhou os corações do mundo ao mostrar a relação de uma jovem negra com seu cabelo.

Kitbull (2019), de Rosana Sullivan: Curta em animação produzido pelo setor de filmes online da Pixar que extrapola formas e apresenta uma pegada criativa e inovadora ao contar a amizade de um cachorro com um gato.

Walk, Run, Cha-Cha (2019), de Laura Nix: Este curta documental tem produção do The New York Times. Em cena, um casal vietnamita que retomam temas da guerra no passado agora como cidadãos norte-americanos.

YouTube

O YouTube é uma plataforma que, geralmente, não vem à cabeça quando o assunto é cinema. Entretanto, grandes pérolas estão lá. Segue uma pequena lista (mas vale a exploração de diversos títulos).

Stalker (1979), de Andrei Tarkovsky: O grande clássico do cinema soviético está em alta definição no YouTube. Uma das mais renomadas e influentes obras do cinema mundial, Stalker apresenta criatividade e estética altamente elaboradas para a época e que impressionam até hoje.

Metropolis (1927), de Fritz Lang: Um dos filmes mais reverenciados de todos os tempos, este clássico prevê toda a onda de distopia que iria dominar o cinema 100 anos depois. Uma obra essencial para quem gosta de cinema e história.

Nosferatu (1922), de F.W Murnau: Baseado na obra Dracula, de Bran Stoker, este filme definiu a imagem do vampiro na cultura popular.

Nelson Cavaquinho (1969), de Leon Hirszman: Este curta documental do cineasta Leon Hirszman, expoente do Cinema novo, apresenta belas imagens da história do lendário sambista, compositor da Mangueira. Imperdível.


Leia também


Últimas notícias