Home Cultura Primeira DJ mulher de comunidade, Iasmin Turbininha brilha no funk carioca
entrevista

Primeira DJ mulher de comunidade, Iasmin Turbininha brilha no funk carioca

"Rico quando está estressado não vai em uma boate gastar seus milhões? Por que o pobre não pode curtir um baile perto de casa?", questiona a DJ
Publicado por Gabriel Valery, da RBA
08:19
Compartilhar:   
reprodução

A DJ explica que ela é a primeira DJ de comunidade, mas que diversas outras mulheres já brilharam como MCs

São Paulo – Única DJ carioca de funk em ação, Iasmin Turbininha foi entrevistada pelo repórter Pedro Stropasolas, do Brasil de Fato, em matéria veiculada pelo Seu Jornal, da TVT. Em pauta, como é ser representante das mulheres em um movimento que mobiliza e transforma vidas nas periferias brasileiras. O alcance da sua música é crescente e hoje Iasmin já carrega mais de 250 mil seguidores em suas redes sociais.

Iasmin explica que ela é a primeira DJ de comunidade, mas que diversas outras mulheres já brilharam como MCs. “Sempre tiveram mulheres como MCs, mas poucas também. Fico muito feliz”, afirma a artista.

“Hoje em dia, o funk serve de muita inspiração para a garotada”, comenta. “A garotada da favela quer ser um DJ hoje em dia. Antigamente, era muito jogador de futebol. Hoje, com o funk sendo valorizado, a galera vê isso como inspiração. Por mais que o funk seja muito criticado e desvalorizado, ainda está sendo visto”, completa a DJ.

preconceito em relação ao funk revela a desigualdade e o estigma do cotidiano das comunidades. Movimentos elitistas chegaram a cogitar uma “proibição” à expressão cultural. “Querendo ou não, é difícil de se viver nas comunidades. As pessoas falam que todo fim de semana tem baile, mas é um bagulho pra relaxar. O rico quando está estressado não vai em uma boate gastar seus milhões? Por que o pobre não pode curtir um baile perto de casa? Às vezes nem bebe, só vê as pessoas que queria ver”, completa.

Iasmin ainda comentou sobre a chacina ocorrida em Paraisópolis em 1º de dezembro do ano passado, quando policiais militares mataram nove pessoas em um baile em São Paulo. “Como aconteceu isso? Por que? O certo não era pegar um ladrão e levar para a delegacia? Se pegasse um saindo de uma rave com várias drogas não levaria para a delegacia? Bateria antes?”, questiona a DJ.

Assista à íntegra da entrevista: