MAIS RETROCESSO

‘Cultura ameaça fascistas e obscurantistas’, diz Haddad sobre exclusão de artistas do MEI

Ex-prefeito de São Paulo criticou medida do governo que altera o cadastro do Microempreendedor Individual, em prejuízo do setor de cultura

Guilherme Santos / Sul21
Haddad: "Bolsonaro retalia todo o setor da Cultura. Para ele a Cultura é ideológica em si, independentemente da posição política do artista"

São Paulo – O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad criticou hoje (7) pelas redes sociais a resolução do governo Bolsonaro que altera as regras do Simples Nacional e exclui profissões artísticas do cadastro de empresas classificadas como Microempreendedor Individual (MEI).

“Bolsonaro retalia todo o setor da Cultura. Para ele a Cultura é ideológica em si, independentemente da posição política do artista. E ele está certo: Cultura é liberdade e criatividade, uma verdadeira ameaça aos fascistas e obscurantistas”, afirmou Haddad em sua conta no Twitter.

A resolução, assinada pelo Comitê Gestor do Simples Nacional, foi publicada nesta sexta-feira (6) no Diário Oficial da União. Estão entre as profissões excluídas instrutor de artes cênicas, instrutor de arte e cultura, instrutor de música, cantor e músico independentes, DJ, VJ, humorista ou contador de histórias e proprietários de bar com entretenimento. Astrólogos independentes e esteticistas independentes também estão na lista.

A medida entra e vigor em janeiro do próximo ano. Os profissionais excluídos não poderão gozar de benefícios fiscais da classificação como MEI, que incluem valores menores para recolhimento de ICMS, ISS e INSS.

A figura jurídica do MEI foi criada em 2008, durante o governo Lula, para reduzir a economia informal no país, e ampliar acesso a direitos pelos trabalhadores. Desde a criação, o cadastro beneficiou mais de 8 milhões de trabalhadores, número que foi atingido em março deste ano.

Confira a resolução do governo