Home Cultura Caixa Cultural em Pernambuco censura espetáculo infanto-juvenil que fala sobre censura
tempos sombrios

Caixa Cultural em Pernambuco censura espetáculo infanto-juvenil que fala sobre censura

Caixa alegou descumprimento contratual, mas companhia diz que não houve esclarecimento sobre cancelamento, comunicado após uma primeira sessão ter sido encenada
Publicado por Felipe Mascari
12:13
Compartilhar:   
Gustavo Farache/Divulgação

Voltada para o público infanto-juvenil, a peça Abrazo é inspirada no "Livro dos Abraços", de Eduardo Galeano

São Paulo – O espetáculo infantil Abrazo teve suas apresentações, previstas para os próximos finais de semana, canceladas pela Caixa Cultural Recife, que alegou genericamente que os responsáveis pela montagem haviam descumprido o contrato. A peça, organizada pelo grupo teatral Clowns de Shakespeare, de Natal, capital do Rio Grande do Norte, mostra um país em que demonstrações de afeto são proibidas e expõe de maneira sutil temas como ditadura, censura e repressão.

Em vídeo divulgado pelas rede sociais, o diretor do espetáculo, Marco França, afirma que a Caixa Cultural censurou as apresentações. “Uma censura travestida com argumentos jurídicos. Vivemos um momento de barbárie no país, onde a verba pública para pesquisa e educação são cortadas, onde livros são censurados, onde artistas estão sendo perseguidos e tendo suas obras censuradas. Não nos calarão! Enquanto houver espaço para falar, estaremos aqui denunciando.”

Abrazo é inspirado em O Livro dos Abraços, do jornalista e escritor uruguaio Eduardo Galeano (1940-2015), e seria apresentado até o dia 15 de setembro. Voltada para o público infanto-juvenil, a peça traz a história de personagens que vivem num lugar em que não é permitido abraçar ou falar. Com as regras delimitadas, o grupo atravessa um quadrado contando histórias de encontros, despedidas, opressão, afeto e liberdade.

De acordo com os organizadores, no sábado (7), uma apresentação e um debate chegaram a ser realizados, mas quando se preparavam para a segunda sessão do dia, os artistas receberam a notícia de que não poderiam entrar em cena, mesmo com a plateia presente.

A Caixa Cultural nega a censura e diz ter cancelado as encenações por um “descumprimento contratual”. Em nota, o Clowns de Shakespeare chama a justificativa da instituição de “genérica” e admite perplexidade com a suspensão do contrato de patrocínio, obtido por meio de edital. Em 2018, o espetáculo foi apresentado na Caixa Cultural de Brasília, pela mesma forma de seleção.

“Nenhum esclarecimento adicional nos foi dado, o que nos moveu a solicitar da Caixa o parecer jurídico e a decisão administrativa relativos a essa rescisão, com detalhamento para que possamos analisar e nos posicionar apropriadamente sobre o caso. Estamos perplexos diante dessa atitude, uma vez que não reconhecemos qualquer indício de infração que pudesse ter sido eventualmente cometida, pois cumprimos com tudo que estava contratualmente previsto. Esperamos que essa justificativa, genérica e lacônica, seja esclarecida pela Caixa, de forma a possibilitar ao grupo defender-se de tal alegação”, rebate a companhia teatral.