O poder da arte

Contra o preconceito e a intolerância, a voz e o recado da cantora Doralyce

Pernambucana, que acaba de lançar o segundo álbum, "Pílula livre", é a convidada desta quarta-feira do programa "Hora do Rango"

Bea Salgado/Divulgação
Com forte discurso político, Doralyce acredita no poder da arte como meio de transformar a sociedade e estimular a reflexão sobre o papel das vozes que foram historicamente silenciadas

São Paulo — Cantora, compositora, atriz, feminista. A pernambucana Doralyce começou sua carreira sob a influência dos movimentos culturais OlindaStyle e Manguebeat e os batuques de Olinda no maracatu, coco, samba e ijexá. Cantora e compositora de hits como Miss Beleza Universal e a versão feminista da música Mulheres, ela é a convidada desta quarta-feira (17) do programa Hora do Rango, a partir do meio-dia, na Rádio Brasil Atual.

Depois de lançar o primeiro álbum, Canto da Revolução, em 2017, contendo oito faixas autorais que tratam de ancestralidade, criticam os padrões de beleza e analisam o cenário político, Doralyce agora apresenta o segundo, Pílula livre, com músicas dançantes que falam de amor e da realidade social, com manifestos contra os preconceitos e as intolerâncias. O trabalho, resultado da residência artística no projeto Red Bull Pulso 2018, conta com a participação de diversos artistas da nova cena brasileira como O Novíssimo Edgar, Sebastian (Francisco, El Hombre) e integrantes da banda Mulamba.

 Doralyce é uma mulher que acredita no poder da arte como meio de transformar a sociedade e estimular a reflexão sobre o papel das vozes que foram historicamente silenciadas. Seu repertório autoral já conta com mais de 300 músicas, cantadas por intérpretes como Bia Ferreira, Gaby Amarantos, Késia Estácio, Larissa Luz e Preta Rara.

O lado ativista a conduziu a participar de ocupações culturais famosas no Brasil, como a Ocupe Estelita, em Pernambuco, em 2013, e a Ocupa Minc, no Rio de Janeiro, em 2016. Na Ocupa Minc, produziu, em parceria com a antropóloga Marcela Camargo, o encontro A Democracia é Ditadura Disfarçada?, em que se debateu os problemas e soluções para democratizar o acesso a saúde, educação, comunicação e cultura.

O programa

Hora do Rango, apresentado por Colibri Vitta e premiado pela Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA), recebe ao vivo, de segunda a sexta-feira, ao meio-dia, sempre um convidado diferente com algo de novo, inusitado ou histórico para dizer e cantar. Os melhores momentos da semana são compilados e reapresentados aos sábados e domingos, no mesmo horário.