Home Cultura No carnaval de SP, cresce a força da cultura negra. Na passarela, deu Mancha Verde
Em São Paulo

No carnaval de SP, cresce a força da cultura negra. Na passarela, deu Mancha Verde

Carnaval de São Paulo aos poucos foi se moldando pelas tradições afro-brasileiras, e as escolas de samba se tornaram espaços de resistência. Este ano, enredo de negras raízes deu título à Mancha Verde
Publicado por Redação RBA
19:02
Compartilhar:   
Reprodução
Mancha Verde 2019

Mancha teve alas Lágrimas da Dor, Marcas da Tortura, Marca da Violação do Seu Corpo e Mar Vermelho de Sangue

São Paulo – A Mancha Verde é a campeã do carnaval 2019 de São Paulo. A escola levou o troféu pela primeira vez após conduzir, na noite de sexta-feira (1º), desfile inspirado na princesa africana Aqualtune, avó de Zumbi dos Palmares. O enredo levou para a passarela alas e alegorias propondo uma reflexão sobre o passado de escravidão e suas consequências históricas para os direitos de negros e mulheres – passando pela intolerância religiosa.

Temática semelhante embalou os desfiles da Mangueira e da Paraíso do Tuiuti, no Rio de Janeiro.

No sambódromo do Anhembi, a Mancha Verde alcançou pontuação máxima, 270, um décimo de ponto à frente de Dragões da Real e Rosas de Ouro. 

A escola que disputa o grupo especial desde 2005 é a segunda originária de torcida de clube de futebol a alcançar o título da liga paulistana. A corintiana Gaviões da Fiel, que terminou em oitavo este ano, já venceu quatro vezes. A Dragões da Real, ligada a uma torcida organizada do São Paulo, foi vice este ano e em 2017.

Uma das escolas mais admiradas e tradicionais do carnaval de São Paulo, a Vai-Vai ficou numa surpreendente lanterna e disputará o grupo de acesso, junto com a penúltima Acadêmicos do Tucuruvi. Apenas 1,2 ponto separou a última colocada da primeira. 

No final de 2018, a diretoria do Palmeiras, campeão brasileiro de futebol, convidou o presidente eleito Jair Bolsonaro para a festa no campo. A parte da torcida que saudou o “mito”, porém, talvez não deva contar com ele na celebração da escola de samba.

A crítica ao racismo, à escravidão, à intolerância religiosa e ao machismo não cabem no perfil de Bolsonaro –cujo início de governo tem se anunciado desastroso nesses quesitos, em sintonia com a história política do ex-capitão. Bolsonaro é a antítese das mensagens de alas da Mancha Verde, como “Lágrimas da Dor”, “Marcas da Tortura” ou “Mar Vermelho de Sangue”, assim como de todo espírito de diversidade, liberdade, irreverência – e até de protesto –, associado aos ritos do carnaval. Não por acaso, os gritos de “ei, Bolsonaro, vai tomar no c*” têm sido o grande hit do carnaval nas cidades de todo o país.

Confira o samba enredo da Mancha Verde 2019

A Saga de uma Guerreira Negra

Tambores vão ecoar, a festa vai começar
O meu batuque traz a força do terreiro
A mancha verde é kizomba amor
Salve a princesa! Viva o povo negro!

O ora ie ie ô ora ie ieu mamãe oxum
Um ventre de luz, o fruto do amor
Kaô kabecilê xangô
África, suntuosa riqueza
África, reluz o encanto e a nobreza
A fé conduz o povo a lutar
Tristeza marejou meu olhar
Oh senhor, tem piedade
Dos corações sem liberdade

A alma que chora, a pele que sangra
Qual será o meu valor?
Entrego minha vida
Rainha do mar, Iemanjá

Aportou, na terra do sol e do maracatu
Vidas no suspiro derradeiro
Na fria solidão do cativeiro
Mãos calejadas a lavourar
Não perdi a fé nos orixás
Senhora do rosário, oh nossa senhora
Aos pés do seu altar, clamo a igualdade
Palmares, vi um céu de luz e liberdade
A força de zumbi a nos guiar
Nas bênçãos de oxalá 

A força da cultura negra 

O carnaval de São Paulo surgiu na região central da cidade e, no início, era considerado uma festa branca. O repórter Jô Miyagui mostra que, aos poucos, a folia foi se moldando às tradições musicais afro-brasileiras e as escolas de samba tornaram-se espaços de resistência da população negra. Assista à reportagem da TVT.