Estreia sexta-feira

Grupo teatral apresenta peça inspirada na vala clandestina de Perus

Espetáculo será encenado em ocupação artística no bairro da zona noroeste de São Paulo

divulgação
espetaculo sobre ossadas.jpg

Espetáculo aborda período 1970-1990, “épocas distintas que se entrelaçam”, e conta um pouco da história recente do país

São Paulo – A descoberta de uma vala clandestina no Cemitério Dom Bosco, em Perus, região noroeste de São Paulo, inspirou o Grupo Pandora de Teatro a montar um espetáculo baseado nesse episódio ocorrido em setembro de 1990. Foram encontradas mais de mil ossadas no local, incluindo desaparecidos políticos, iniciando uma polêmica que dura até hoje. A peça Comum estreia nesta sexta-feira (13), às 20h, e terá apresentações até 4 de agosto, em ocupação no próprio bairro.

Desde que a vala foi descoberta, começaram as gestões para identificação das ossadas, que cumpriram um longo e tortuoso trajeto nestas mais de duas décadas, período durante o qual as investigações foram interrompidas e retomadas em 2014. Apenas em fevereiro deste ano, um laboratório no Leste Europeu confirmou o nome do militante político Dimas Antônio Casemiro, assassinado em abril de 1971, em São Paulo.

“Um jovem em busca de informações sobre o desaparecimento de seus pais, dois coveiros envolvidos com a criação da vala e uma estudante que se aproxima do ativismo político”, diz a sinopse do espetáculo, citando o período 1970/1990, em que “épocas distintas se entrelaçam e evidenciam causas e consequências”.

O Grupo Pandora foi fundado em julho de 2004, a partir do Projeto Teatro Vocacional da Secretaria de Cultura de São Paulo. Com duração de 100 minutos e faixa etária de 12 anos, a encenação será apresentada na Ocupação Artística Canhoba-Cine Teatro Pandora, na Rua Canhoba, 299, em Perus, às sextas-feiras (20h) e sábados (19h). O ingresso será pago com contribuições voluntárias.

Leia mais:

Identificação de ossada aponta caminho oposto da atual situação política, diz Sottili

Vala de Perus: o primeiro nome sai da caixa e do esquecimento

Acordo viabiliza manutenção de trabalho sobre ossadas de Perus

Perus, um encontro de histórias para preservar a memória