‘fora sturm’

Secretário de Doria desmente acusações contra manifestantes que ocuparam secretaria

Nota da Secretaria da Cultura dizia que ativistas tinham sido agressivos e que tentaram invadir o gabinete de André Sturm, mas foi desmentida pelo secretário de Relações Governamentais

RBA
manifesto

Artistas que ocupam a secretaria fizeram um pronunciamento na manhã de hoje e seguem exigindo a saída de Sturm

São Paulo – Após reunir-se com os manifestantes que ocupam a Secretaria Municipal de Cultura desde a tarde de ontem (31), pedindo a demissão do secretário André Sturm, e conversar com o inspetor Cesar, da Guarda Civil Metropolitana (GCM), o secretário Municipal de Relações Governamentais, Milton Flávio Marques, gravou um vídeo desmentindo a nota divulgada pela assessoria de Sturm, que dizia que os manifestantes tentaram invadir o gabinete e expulsaram os servidores do local. O vídeo foi divulgado pelo Jornalistas Livres.

“Conversei com o responsável da GCM, inspetor Cesar, que nos garantiu que a ocupação foi pacífica, não houve, até o momento, nenhum dano ao patrimônio público. Nenhum funcionário da secretaria foi agredido ou constrangido e, aqueles que quiseram sair, inclusive o próprio secretário, saíram sem nenhuma preocupação e sem nenhum dano”, disse Marques, na noite de ontem. O vídeo com a declaração completa pode ser visto ao final desta reportagem.

A fala contradiz totalmente o que foi divulgado na noite de ontem pela secretaria chefiada por Sturm. “O secretário André Sturm precisou fazer uma barricada para garantir que a porta do gabinete não fosse derrubada. Servidores da sala da assessoria técnica, que fica ao lado do gabinete, foram expulsos do seu local de trabalho e tiveram que se refugiar em outro andar da Secretaria, sendo que suas salas ficaram ocupadas por faixas e cartazes com mensagens ofensivas”, dizia a nota divulgada ontem.

As faixas portadas pelos manifestantes trazem questionamentos sobre o congelamento de verbas da cultura e ações realizadas pelo secretário, como a interferência no resultado da seleção do Programa de Valorização da Iniciativas Culturais (VAI), e palavras de ordem, como “fora Sturm” e “fora Doria”.

Os manifestantes passaram a noite no local, acompanhados por GCMs que mantêm uma barreira na entrada do gabinete de Sturm. Na porta da secretaria outro grupo de artistas oferece apoio aos manifestantes, fornecendo alimentação e contato com a imprensa. A secretaria manteve o fornecimento de água e o acesso aos banheiros no 11º andar, onde eles estão. A entrada e saída de servidores da pasta é normal, apenas controlada pela GCM.

Na manhã de hoje houve uma nova reunião entre Marques e os manifestantes. No diálogo, o secretário de Relações Governamentais propôs o atendimento de outras reivindicações do movimento cultural da capital paulista, como o descongelamento de 47% da verba da cultura, retomada dos programas de formação cultural e discussão do Plano Municipal de Cultura. Porém, a gestão Doria descarta a saída de Sturm, o que não é aceito pelo grupo.

“Ocupamos a secretaria porque o secretário André Sturm está promovendo o desmonte das políticas públicas de cultura, construídas após décadas de luta. Sua gestão é agressiva, desequilibrada e criminosa. Nossa pauta é única: queremos a demissão imediata ou a renúncia de Sturm. E permaneceremos ocupados até que isso aconteça”, afirmaram os manifestantes, em pronunciamento coletivo, na manhã de hoje.

O estopim para a ocupação exigindo a saída de Sturm foi a ameaça feita por ele contra o ativista cultural Gustavo Soares, 24 anos, membro do Movimento Cultural Ermelino Matarazzo, em reunião realizada na tarde de segunda-feira (29), na Casa de Cultura do bairro da zona leste. Ao ser chamado de “desequilibrado” pelo ativista, o secretário responde: “Se você falar assim eu vou quebrar sua cara. Isso mesmo: vou quebrar sua cara”, se altera. Em seguida, emenda que vai mandar lacrar o prédio. “Acabou a molecagem”, completa.

Às 14h, haverá nova manifestação na frente da secretaria, com a participação de vários segmentos da cultura. E às 17h uma nova reunião entre o secretário Marques e os ocupantes. Até o momento não há registro de pedido de reintegração de posse, por parte da prefeitura, no Tribunal de Justiça.

Leia também

Últimas notícias