Em Cordisburgo

Semana dedicada a Guimarães Rosa destaca obra poética do escritor

Evento na terra natal de Guimarães, em Minas Gerais, tem palestras, caminhadas, sarau, narração de histórias e exposições. Museu completa 40 anos

Ronaldo Alves
Guimarães Rosa 2014

A máquina Remington Rand que era usada por Guimarães no Rio está no Museu Casa Guimarães Rosa

São Paulo – Começa amanhã (22), em Cordisburgo (MG), a 26ª Semana Roseana, dedicada à obra de Guimarães Rosa. Ele nasceu em 1908 na pequena cidade a 120 quilômetros de Belo Horizonte. Neste ano, quando se completam 40 anos do Museu Casa Guimarães Rosa, no local onde ele morou na infância, o tema do evento será a poesia na obra do escritor, com foco no livro Magma, premiado em 1936 pela Academia Brasileira de Letras, mas editado apenas postumamente, em 1997 (ele morreu em 1967).

O livro de estreia de João Guimarães Rosa acabou sendo Sagarana, lançado em 1946, dez anos depois de Magma. Passaram-se mais dez anos e veio Grande Sertão: Veredas, resultado de uma viagem do escritor com um grupo de vaqueiros, durante dez dias e 240 quilômetros pelo sertão mineiro.

“Apesar de seu desinteresse em publicá-la em vida e malgrado tê-la esquecido ao recordar a origem de Sagarana, Magma persistiu como um lastro subterrâneo em toda a sua obra”, diz em texto de 2000 o professor Luiz Cláudio de Oliveira, da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais. Para ele, o contista já existia dentro do poeta, como a fruta dentro da casca. “Unir as duas pontas da obra de Guimarães Rosa será sempre tarefa difícil, uma vez que por baixo de cada texto haverá uma camada instável e fugidia, desconhecida e inacessível, mas que, às vezes, aflora à superfície e se cristaliza, como um magma.”

Todos os anos, nesta época, a pequena Cordisburgo é tomada por admiradores, curiosos e acadêmicos, dedicados a atividades relativas à obra do escritor. A abertura da Semana Roseana será amanhã à noite, com exposição e apresentação musical, na Museu Casa Guimarães Rosa, a pouca distância da estação de trem. O evento, que vai até domingo (27), inclui ainda narração de contos de Guimarães pelos Miguilins, crianças e adolescentes que desde 1995 formam um grupo de contadores de histórias.