De 12 a 17

Mostra de filmes periféricos começa nesta terça em São Paulo

8° Festival Cine Favela de Cinema apresenta obras independentes de sete países

Divulgação
bracosabertos.jpg

“Braços Abertos, Portas Fechadas” mostra como o Brasil tem atraído imigrantes do mundo todo

A oitava edição do Festival Cine Favela de Cinema começa nesta terça-feira (12), em São Paulo. A mostra exibe exclusivamente filmes realizados por organizações não governamentais, associações, coletivos, universitários e produtores independentes e periféricos.

O evento, que terá a comunidade como tema central, tem o objetivo de apresentar um panorama do cinema periférico produzido no Brasil e no mundo. Grande parte das exibições – a mostra competitive e o encerramento – devem ser realizadas em Heliópolis, na zona sul da capital paulista.

O filme Memórias de Heliópolis abre a programação na terça-feira, às 20h, no Sesc Ipiranga. Dirigido por Bruna Lessa, o documentário mostra as mudanças que as iniciativas em educação e ativismo comunitário levaram à favela, hoje chamada de Cidade de Heliópolis por muitos moradores. Também serão exibidos dois curtas-metragens inéditos produzidos nas oficinas de capacitação desenvolvidas durante o festival.

Na quarta-feira (13), a partir das 19h, serão apresentados filmes de Colômbia, México, Argentina, Paraguai, Chile e Brasil que não têm espaço no circuito de comercial e de festivais. As exibições serão no Instituto Criar, no Bom Retiro, voltada para os alunos do projeto e para o público em geral.

Já a mostra competitiva começa no sábado (16), às 15h, na sede do Cine Favela, na comunidade de Heliópolis. Disputarão o voto popular 16 curtas-metragens brasileiros e de outros seis países: França, Ucrânia, Espanha, Panamá, Portugal e Alemanha.

Um dos destaques, o documentário Braços Abertos, Portas Fechadas, de Fernanda Polacow e Juliana Borges, mostra como a economia brasileira em expansão tem atraído imigrantes do mundo todo. O rapper angolano Badharó usa a música para falar sobre a frustração de se deparar constantemente com a discriminação e o preconceito racial em um Rio de Janeiro que é bem diferente daquele dos cartões portais.

Pinheirinho, de Julio Pecly, mostra a desocupação e demolição da comunidade em São José dos Campos; Tinha Uma Pedra no Meio do Caminho, dirigido por Caio Mazzilli, é sobre um dia na vida de um usuário de crack; em Música na Periferia, David Alves Silva apresenta o que a periferia sul de São Paulo tem produzido.

No encerramento, no domingo (17), além de o público conhecer o melhor filme eleito pelo voto popular, será exibido o documentário Copa Vidigal, de Luciano Vidigal, um dos diretores do filme 5 x Favela – Agora por Nós Mesmos. Neste trabalho solo, Luciano mostra como o campeonato de futebol disputado por 32 times no Morro do Vidigal, no Rio de Janeiro, trouxe a paz naquela área. Depois haverá a apresentação dos músicos do Instituto Baccarelli.

Todas as atividades são gratuitas.

Serviço
Abertura
Quando: terça-feira (12), às 20h
Onde: Sesc Ipiranga – Rua Bom Pastor, 822

Sessão Instituto Criar
Quando: quarta-feira (13), às 19h
Onde: Instituto Criar – Rua Sólon, 1.121, Bom Retiro

Mostra Competitiva
Quando: sábado (16), às 15h
Onde: Cine Favela – Rua do Pacificador, 288, Heliópolis

Encerramento
Quando: domingo (17), às 17h
Onde: Polo Cultural de Heliópolis – Estrada das Lágrimas, 2.385, Heliópolis
Quanto: grátis

Mais informações: (11) 2914-2275