Home Cidades População usa mais celular e internet e menos telefone fixo
Digitais

População usa mais celular e internet e menos telefone fixo

Segundo o IBGE, no ano passado praticamente 75% dos domicílios acessavam a internet e 93% tinham aparelho celular. Só 31% contavam com o fixo em casa
Publicado por Redação RBA
14:14
Compartilhar:   
Reprodução
celular

De acordo com o IBGE, 78% da população com mais de 10 anos tinha celular para uso pessoal, subindo a 82% em áreas urbanas

São Paulo – De 2016 para 2017, o número de domicílios em que havia uso da internet aumentou de 69,3% para 74,9%, sendo 80,1% em áreas urbanas e 41% em rurais. A presença do celular é ainda maior: de 92,6% para 93,2%. Já a proporção de residências com telefone fixo caiu de 33,6% para 31,5%. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE, divulgados hoje (20).

Segundo o instituto, de 181,1 milhões de pessoas com 10 anos ou mais de idade 69,8% acessaram a internet pelo menos uma vez no período de três meses anterior à pesquisa. Esse percentual sobe para 88,4% na faixa que vai de 20 a 24 anos. E subiu para 31,1% entre pessoas com 60 anos ou mais.

A Pnad mostra ainda que cresceu (de 94,6% para 97%) o percentual de pessoas que acessa a internet por meio do celular. Os que usam a televisão para essa finalidade passaram de 11,3% para 16,3%, enquanto os que recorreram ao microcomputador foram de 63,7% para 56,6%. 

De acordo com o IBGE, 78,2% da população a partir de 10 anos tinha celular para uso pessoal. Sobe a 81,9% na área urbana e cai a 55,8% na rural.

Dos 70,4 milhões de domicílios, 96,7% tinham aparelho de televisão – e 79,8% já contavam com conversor para receber o sinal digital. A parcela dos que não tinham conversor, antena parabólica ou TV por assinatura se reduziu para 6,2%.

Dos 17,7 milhões de domicílios sem uso da internet, foram apontados cinco motivos principais: falta de interesse (34,9%), serviço de acesso caro (28,7%), desconhecimento sobre como usar (22%), serviço não disponível (7,5%) e equipamento eletrônico caro (3,7%).