Você está aqui: Página Inicial / Cidades / 2013 / 01 / Prefeitura vai visitar famílias ameaçadas de despejo na zona leste de SP

Prefeitura vai visitar famílias ameaçadas de despejo na zona leste de SP

Cerca de 600 famílias foram enganadas por posseiro e agora podem perder posse. Representantes dos moradores foram recebidos pela Secretaria de Habitação após protesto em frente à prefeitura
por gisele publicado 04/01/2013 16h49, última modificação 04/01/2013 18h47
Cerca de 600 famílias foram enganadas por posseiro e agora podem perder posse. Representantes dos moradores foram recebidos pela Secretaria de Habitação após protesto em frente à prefeitura

São Paulo – Aproximadamente 300 pessoas, que representam 600 famílias ameaçadas de despejo em São Mateus, zona leste de São Paulo, foram recebidos na tarde de hoje (4) por assessores da Secretaria de Habitação (Sehab) logo depois de protestarem em frente à sede da prefeitura. 

Segundo Luciano Santos, integrante da comissão dos moradores, representantes da Sehab e da Subprefeitura de São Mateus ficaram de visitar a área ocupada na manhã da próxima segunda-feira (7). "Eles disseram que precisam ir lá para conhecer melhor a realidade", relatou. 

Os manifestantes pedem que a prefeitura interfira no pedido de reintegração de posse da área em que vivem. Luciano afirmou que há pouco mais de nove meses, um homem chamado Heraclides Batalha reuniu moradores de bairros próximos ao local e afirmou ser o dono do terreno, incentivando a ocupação em troca de  R$ 10 mil por lote. Depois, os moradores poderiam pedir a posse do terreno judicialmente, por usucapião. Aos moradores, Batalha disse que o negócio precisava ser feito desta maneira porque não poderia vender legalmente a área de 173 mil metros quadrados. 

Santos contou que depois que as pessoas se estabeleceram no terreno, Batalha passou a pedir R$ 35 mil por lote, valor incompatível com a renda da maioria dos moradores. Sem acordo, ele entrou na justiça pedindo a reintegração. “Era uma terra parada desde 1932, muito marginalizada, onde aconteciam muitas mortes. A gente não quer invadir nada. Agora a gente só quer o que foi acordado”, explicou o morador José Fernandes de Oliveira.

A ocupação é chamada pelos moradores de Pinheirinho 2, em referência ao bairro de São José dos Campos, interior de São Paulo, desapropriado em janeiro do ano passado. Além da violência empregada durante o despejo, moradores e organizações sociais apontam uma série de ilegalidades no processo judicial que levou à reintegração de posse em favor do especulador financeiro Naji Nahas.

Procurada pela RBA, a assessoria de imprensa da Sehab não foi localizada para dar mais informações sobre o caso.