Home Cidades Mães de Maio lançam livro e candidatura a prêmio Nobel da Paz

Mães de Maio lançam livro e candidatura a prêmio Nobel da Paz

Ideia é chamar atenção internacional para a luta contra a violência estatal
Publicado por gisele
20:29
Compartilhar:   

Débora Maria da Silva, fundadora do Mães de Maio, durante audiência no Conselho de Direitos Humanos (Foto: Elza Fiúza/ABr)

São Paulo – A presidenta do grupo Tortura Nunca Mais, Rose Nogueira, anunciou ontem (5), durante o lançamento do livro Mães de Maio, Mães do Cárcere – A Periferia Grita, o início da construção da candidatura do movimento Mães de Maio ao prêmio Nobel da Paz. “A ideia é contemplar todas as mães vítimas da violência estatal no mundo, representadas na figura das Mães de Maio”, afirmou.

Rose afirmou ter se inspirado em declarações das Mães da Praça de Maio argentinas de que o movimento só passou a ser reconhecido dentro do país vizinho depois de ganhar destaque no âmbito internacional. 

As Mães de Maio brasileiras iniciaram suas atividades em 2006, depois que 493 pessoas foram mortas entre 12 e 21 de maio daquele ano. A maior parte dos mortos tem sinais claros de execução envolvendo policiais em revide à morte de agentes públicos de segurança durante os ataques da facção criminosa Primeiro Comando da Capital nas primeiras 48 horas da onda de violência.

Além das próprias Mães da Praça de Maio da Argentina, as mães brasileiras têm se aproximado da luta de mães de vítimas de violências em outros países, como as mães palestinas. Presente no evento de lançamento do livro, o refugiado da Faixa de Gaza Qais Al-Hint, do movimento Palestine Sunbird, disse ter se assustado com a situação vivida pelas mães paulistas e acredita que a luta nos dois países é a mesma. “Cada família palestina tem pelo menos uma pessoa morta ou presa ou os dois. O que queremos é paz, justiça, liberdade e nisso somos muito parecidos”, afirmou.

Rose disse que a busca pelo reconhecimento internacional da luta das mães contra a violência começa a tomar corpo. “Na Palestina, quem primeiro se articula são as mães; durante a ditadura no Brasil, os primeiros grupos a se articular, depois dos presos, foram as mães. Por isso a ideia está lançada”, afirmou.

Para justificar sua militância e a busca por justiça, Débora Maria da Silva, fundadora do Mães de Maio, ressaltou a dor das mães que perdem seus filhos em função da violência estatal. “As mães são as verdadeiras vítimas do Estado. O sangue do meu filho borbulha nos meus olhos. Eu olhava para o semblante dessas mães [que perderam familiares] e não aguentava ver, porque elas estavam vegetando, com as bolsas cheias de remédio”, relata.