Distopia

CNDH apura crescimento de células neonazistas no Rio de Janeiro

Delegação cumpre agenda na região metropolitana do Rio até sexta-feira para coletar dados e informações. Em três anos, esses grupos cresceram 270% no país

Polícia Civil do DF
Polícia Civil do DF
No início de 2022, havia mais de 530 núcleos extremistas no Brasil

São Paulo – Uma delegação do Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH) vai ouvir vítimas, autoridades e especialistas sobre o neonazismo no Brasil. Os representantes desembarcaram no Rio de Janeiro nessa segunda-feira (24). O cronograma da visita se estende até sexta-feira. A questão do neonazismo já havia motivado uma outra viagem em abril deste ano à Santa Catarina. O conselho também deve visitar outros estados.

No Rio de Janeiro, a delegação tem agendas com autoridades policiais e judiciais para levantamento de dados e informações, na capital fluminense e em Niterói, na região metropolitana do Rio. Entre as atividades estão audiências públicas e um painel acadêmico em conjunto com a Universidade Federal Fluminense, que se realiza nesta terça-feira.

Há alguns meses, o Conselho Nacional de Direitos Humanos desenvolve um trabalho para apurar o crescimento de células neonazistas no país. Foi criada uma relatoria especial sobre o tema, cuja coordenação é do conselheiro Carlos Nicodemos, que participa das atividades no Rio de Janeiro.

O Conselho Nacional de Direitos Humanos, diante do crescimento de grupos neonazistas no Brasil ao longo dos últimos anos, já levou inclusive suas preocupações ao Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU). Um relatório preliminar, entregue em abril, classificou o cenário atual como “alarmante”.

Fenômeno nacional

Segundo estudos da antropóloga Adriana Dias, falecida no ano passado, as células de grupos neonazistas cresceram 270% no Brasil, no período de janeiro de 2019 a maio de 2021, se espalhando por todas as regiões do país. No início de 2022, havia mais de 530 núcleos extremistas no Brasil. Os participantes compartilham o ódio contra feministas, judeus, negros e população LGBTQIAP+.

O CNDH é um órgão colegiado dentro do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania. Tem composição paritária e promove a defesa dos direitos humanos no Brasil. Suas ações são preventivas, protetivas, reparadoras e sancionadoras das condutas e situações de ameaça ou violação de direitos previstos na Constituição Federal e em tratados e atos internacionais ratificados pelo Brasil.

Com informações da RadioAgência Nacional